O mundo pós Covid-19

A globalização será seguramente uma das vítimas da pandemia e, por acréscimo, também a economia chinesa, grande beneficiária da globalização e fortemente dependente das exportações.

Um número significativo de analistas tem-se debruçado sobre as consequências geopolíticas da Covid-19. Na maioria dos casos apresentam a epidemia como uma oportunidade única de a China colocar em causa a liderança global dos EUA. De facto, existe essa possibilidade, como existem outras. É tão-somente mais uma possibilidade, longe de ser a mais evidente. Com a informação disponível não arriscamos um prognóstico.

É ainda difícil apurar a dimensão das consequências sociais e políticas da Covid-19, para além de sabermos que irá provocar uma recessão económica. E quanto maior ela for, maior será a instabilidade social e política. Já existem indícios disso no sul de Itália. Há outros desenvolvimentos interessantes que se podem já identificar. A globalização não voltará a ser o que era. A Covid-19 veio alertar o mundo ocidental para a sua dependência da China, quando descobriu que dependia de Pequim para fabricar medicamentos.

Foi preciso a Covid-19 para os dirigentes ocidentais perceberem que os interesses estratégicos dos estados se têm de sobrepor à lógica meramente economicista do capitalismo. A pátria do capital é a distribuição dos dividendos pelos acionistas. Merkel sugere agora a possibilidade de nacionalizações.

Sabemos que não é possível reverter totalmente a globalização, dada a profunda interdependência económica entretanto criada. Mas sabemos que algo de profundo acontecerá. Até os neoliberais já falam da necessidade de regulação.

A onda de protecionismo iniciada por Trump vai acentuar-se. Os EUA procurarão recuperar muita da capacidade produtiva perdida. O mesmo se passará com os países europeus, que seguirão as pisadas dos EUA. A globalização será seguramente uma das vítimas da pandemia, e, por acréscimo, também a economia chinesa, grande beneficiária da globalização, e fortemente dependente das exportações (cerca de 20% do PIB), em particular das exportações para os EUA.

A economia chinesa não ficará incólume a uma recessão económica mundial, em particular no mundo ocidental, cujos contornos ainda desconhecemos, assim como à onda de protecionismo que paira no horizonte. O seu projeto “Rota da Seda” sofrerá um rude golpe. Num ambiente de retração e de protecionismo, a China ficará numa situação difícil. Terá de se virar para o mercado interno, onde tem muito espaço para progredir, mas fará seguramente um compasso de espera no seu crescimento.

É prematuro falar em vencedores da crise originada pela Covid-19. Não são os kits, as máscaras e os ventiladores que a China disponibilizou que irão alterar as preferências estratégicas dos Estados europeus. Testaremos isso brevemente quando a União Europeia tiver de votar a extensão das sanções económicas à Rússia.

A China tem todas as condições para ultrapassar os EUA económica e militarmente. Mas isso vai demorar tempo e não será uma consequência direta da pandemia causada pela Covid-19.

Em matéria de hierarquia na ordem mundial, a pandemia não produzirá um efeito tectónico semelhante ao da II Guerra Mundial, quando os EUA destronaram o Reino Unido, ou ao da implosão da União Soviética, que transformou uma ordem bipolar em unipolar, e conduziu os EUA à supremacia mundial. A hipótese de a China ser a grande beneficiada da crise é apelativa, mas assenta em premissas com pés de barro.

Recomendadas

Irá o PCP sobreviver à transição digital?

O PCP terá de escolher entre tornar-se o último grande defensor do trabalho subordinado ou, pelo contrário, encarar a transição digital como uma oportunidade para libertar a sociedade deste velho paradigma.

Investidores em modo birra

Os bancos centrais acumularam balanços gigantes que não conseguem reduzir porque, cada vez que tentam, aparece uma nova crise. Pior do que isso, cada vez que tentam retirar o biberão da boca do bebé, ele desata aos berros.

A salvação nacional

É verdade que a intervenção do Estado tem permitido manter a economia à tona, mas tem de se ir mais longe. O Estado tem de tomar as rédeas e antecipar o que aí vem. Tem que provar-se empreendedor e arriscar.
Comentários