“O Novo Banco diz quanto é e o Governo paga”, afirma Rui Rio

No Twitter, Rui Rio referiu que “nunca ninguém foi verificar a conta que os contribuintes estão a pagar ao abrigo de um contrato que esses mesmos contribuintes não podem conhecer”.

Depois de ter sido revelada a análise do Tribunal de Contas ao Novo Banco, presidente do PSD, Rui Rio concluiu, nas redes sociais, que bastava o Novo Banco pedir dinheiro para que o Governo pagasse.

“Nunca ninguém foi verificar a conta que os contribuintes estão a pagar ao abrigo de um contrato que esses mesmos contribuintes não podem conhecer. O Novo Banco diz quanto é, e o Governo paga. Aparentemente, com forte vontade e empenho. Quem entende?”, escreveu Rui Rio no Twitter.

Da parte do Governo, o ministério das Finanças sublinhou, na segunda-feira, que “o relatório do Tribunal de Contas (TdC) contém diversos pontos que merecem a devida e necessária reflexão”. “O Governo avaliará com a maior atenção as recomendações do Tribunal de Contas que procuram reforçar o princípio da segregação de funções”, garante o ministério.

Além de Rui Rio, à esquerda a deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua considerou que o executivo de António Costa “falseou argumentos sobre Novo Banco”. A bloquista mencionou ainda que “todo o dinheiro injetado por via do fundo de resolução é dinheiro dos contribuintes portugueses”.

Por sua vez, sobre a análise do Tribunal de Contas, o Novo Banco defendeu, esta terça-feira, que existem “observações de carácter político” na auditoria e acredita que o TdC teve “pouco tempo que teve para analisar” os documentos enviados.

Ler mais
Relacionadas

Máximo dos Santos responde ao TdC: “Não há nenhuma incompatibilidade em ser presidente do Fundo de Resolução”

O Tribunal de Contas recomenda Luís Máximo dos Santos fora do Fundo de Resolução, mas o vice-governador não deixa a “sugestão” sem resposta. Banco de Portugal e Fundo de Resolução alinhados nas críticas à auditoria do Tribunal de Contas. “Esta avaliação é incorreta” foi a frase mais repetida na reação.

Novo Banco deixa referência à rapidez do Tribunal de Contas e ao “pouco tempo que teve para analisar” os documentos (com áudio)

O Novo Banco invoca “gestão de reestruturação condicionada” no contraditório ao Tribunal de Contas. O banco ironiza dizendo que a “falta de tempo terá, porventura, consequências de ponderação na apresentação de algumas conclusões que, por manifestamente erradas, podem contribuir para um risco moral”.
Recomendadas

“Senti como uma agressão. Um modo de agir preconceituoso e racista”. Deputada Romualda Fernandes reage a episódio com a Lusa

Citada hoje pelo Público, a deputada socialista refere que “infelizmente” não lê o episódio “como um lapso, ou como um erro”, porque no seu entender “reflete um pensamento, um modo de agir profundamente preconceituoso e racista” que sentiu “como uma agressão”.

Matos Fernandes sobre o novo leilão solar: “Será lançado em setembro”

Depois dos leilões de 2019 e de 2020, o Governo prepara um novo leilão solar para aumentar a capacidade de produção de energia fotovoltaica, mas sem ocupar terrenos. Pretende-se instalar painéis flutuantes em barragens. Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Ambiente e Ação Climática revela que já estão identificadas 7 albufeiras, 4 no Norte e 3 no Alentejo que vão a leilão para a instalação de painéis solares. Matos Fernandes anuncia ainda que o leilão vai ser lançado em setembro e com regras idênticas aos anteriores.

Matos Fernandes sobre o PRR: “Sabemos bem que estamos a correr contra o tempo”

“Sabemos bem que estamos a correr contra o tempo”. É assim que o ministro do Ambiente e Ação Climática define a execução do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). Numa entrevista à Antena 1e ao Jornal de Negócios, Matos Fernandes admite que a sua maior preocupação é garantir todas as verbas disponíveis vão ser executadas, daí a antecipação de alguns projetos, como a ponte no Porto para o metro. 
Comentários