O plano de Costa para dominar o país

A razão para a contratação de mais funcionários públicos não é económica, não tem que ver com a qualidade do serviço público, mas é política.

Em entrevista ao Diário de Notícias, António Costa declarou que prefere utilizar eventuais folgas orçamentais para contratar mais funcionários públicos a aumentar os seus salários. Lemos isto e perguntamos: então e a urgência de há poucos anos para reduzir os funcionários públicos? Se era para contratar mais agora porque foi necessário reduzi-los  antes?

A redução do número de funcionários públicos estava relacionada com três necessidades: tornar a administração pública mais eficiente, reduzir a despesa pública e libertar o país da dependência do Estado e da perspectiva de uma carreira no Estado como a mais apetecível. Trabalhar no funcionalismo público pode ser honroso se útil, mas não se encarado como um encosto para a vida.

Agora, depois de pretensamente atingidos os objectivos na redução de pessoal, o Estado volta a contratar conduzindo a novo excesso de funcionários públicos. A pergunta é porquê? Podemos dizer porque há folga orçamental. Mas isso é agora que a economia mundial está em expansão. E quando não estiver? E quando o número de funcionários públicos for novamente excessivo e pesar excessivamente na despesa pública? O que se faz? Despede-se? Como?

Ninguém responde a estas perguntas porque não têm resposta. Porque a razão para a contratação de mais funcionários públicos não é económica, não tem que ver com a qualidade do serviço público, mas é política. Contrata-se não só para satisfazer os sindicatos (que precisam de mais pessoas nas suas fileiras), mas também porque vai ao encontro do que o PS precisa.

António Costa chegou à liderança do PS em 2014, quando os partidos socialistas tradicionais estavam em descalabro na Europa. Era o PSOE, o PASOK, o PSF, o SPD e até o Partido Trabalhista britânico andava perdido (ainda anda) sem saber o que fazer com o que restava da Terceira Via. O grande objectivo de Costa era evitar que ao PS sucedesse o mesmo. Um desafio difícil, pois o Partido Socialista era o principal responsável pela quase bancarrota do Estado português e José Sócrates iniciava a sua prestação de contas com a Justiça.

Como conseguiu evitar o fim do PS, tornando-o numa excepção europeia, já o sabemos. O que desconhecíamos até agora era o seu plano para tornar o Partido Socialista numa força política hegemónica. É nesta perspectiva que percebemos a sua ideia quanto ao funcionalismo público: usar a folga orçamental, não para reduzir impostos, não para aumentar salários, mas para contratar mais funcionários. Contratar mais gente que dependa do poder político. E não há gente mais dependente que aqueles que ganham pouco. A natureza de país não mudou assim tanto desde Salazar, e Costa, sabendo disso, age em conformidade.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Eutanásia: a causa deslizante

Um terço das eutanásias que têm lugar na Bélgica serão feitas sem o consentimento dos doentes. A eutanásia, que no início estava limitada a casos extremos, já é aplicada a doentes mentais, crianças e idosos com demência. Existe o risco de “rampa deslizante” também em Portugal?

Não, André, não volto às origens

Tenho evitado expressar a minha opinião sobre André Ventura, por várias razões. Primeiro porque, para quem lê esta coluna e tendo em conta o nome exótico do autor, não será difícil de adivinhar qual é essa opinião.

Ainda Rui Pinto

Escolher entre quem dá a conhecer e quem se especializou em ocultar será, cada vez mais, uma batalha da Democracia do futuro. Entre Ana Gomes e Proença de Carvalho a opção parece-me simples.
Comentários