O poder na Europa

Por mais que se procure que uma ficção otimista se sobreponha à realidade, continua a existir uma subliminar competição entre os parlamentos nacionais e Bruxelas e Estrasburgo.

As eleições europeias não confirmaram as previsões de alguns, segundo as quais o Parlamento Europeu iria ser invadido por uma onda de extrema-direita e eurocéticos (as duas coisas não sendo, necessariamente, sinónimos), que iria bloquear a operacionalidade de uma instituição a que os tratados têm vindo a conferir crescentes poderes.

O que se constatou foi a emergência de uma realidade que, tudo indica, veio para ficar: a quebra do poder relativo dos dois grandes grupos políticos que dominaram as instituições comunitárias desde a sua criação – social-democratas e conservadores –, com a clara atenuação, nestes últimos, da matriz democrata-cristã.

Uma maior fragmentação política é o que, a partir de agora, mais notoriamente se observa naquele parlamento, desde logo pela emergência, com progressiva capacidade de disputa de poder, dos grupos liberal (que tem pouco a ver, note-se, com o que, sob esse rótulo, tem aparecido em Portugal) e ecologista. Alguns dirão, não sem razão, que esta nova realidade é mais democrática, garantindo uma maior representatividade ao parlamento. Outros, que também têm a sua razão, acharão que a crescente diversidade funciona em detrimento da boa governação da coisa europeia, tornando-a menos eficaz, reduzindo dessa forma o prestígio da União aos olhos dos cidadãos.

A Europa está hoje bem mais difícil de gerir, mas isso não deve ser surpresa para ninguém. O aumento da diversidade política, provocado pelos últimos alargamentos, alguma realpolitik que, por jogos de proselitismo de poder, baixou a guarda ética e tende a flexibilizar princípios e valores, bem como uma extensão de competências que alguns veem já como conflituais com uma união de Estados com soberanias constitucionalmente distintas – tudo isso dá da máquina comunitária, a muitos, a imagem de um “monstro” que afeta a transparência dos seus métodos e assusta bastantes dos seus cidadãos.

A Europa criadora de soluções é hoje vista por muitos como a Europa fautora dos seus problemas. Se a isso somarmos as notórias clivagens internas, nomeadamente na reação aos efeitos assimétricos das crises coletivas, os imponderáveis efeitos do Brexit e a orfandade geopolítica criada pelo afastamento “afetivo” dos Estados Unidos, conviremos que está criada uma imagem de crise endémica que, até ver, não augura nada de bom.

O debate em torno dos lugares de chefia europeia revelou também uma realidade que muitos teimam em ignorar: os Estados, isto é, para o que importa, os governos, por muita simpatia que possam afirmar face à ânsia de poder do Parlamento Europeu, revelam-se fortemente interessados, em última instância, em reservar para si a última palavra decisória. Por mero “egoísmo”? Também, mas igualmente porque sabem que respondem perante os parlamentos dos seus países e que, por mais que se procure que uma ficção otimista se sobreponha à realidade, continua a existir uma subliminar competição entre estes e o areópago de Bruxelas e Estrasburgo. Afinal, o Brexit não é também isso?

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários