O que vai mudar na banca? Tudo

Hoje o cliente exige instantaneidade, simplicidade e flexibilidade, e as empresas que não compreendem esta realidade não vão conseguir sobreviver.

No Fórum Banca 2018, organizado pelo Jornal Económico e pela PWC, que decorreu na semana passada, tivemos oportunidade de ouvir alguns Bancos a falar sobre os principais desafios da nova Era para o setor, assim como a perspetivar alguns dos desafios que se avizinham.

Em primeiro lugar, é de saudar a mudança de discurso que foi possível ouvir. Pela mão do Banco de Portugal e pelas dos próprios bancos, chegou-nos um discurso que centraliza a vontade e as exigências dos clientes. A verdade, como disse o Eng.º Faria de Oliveira da Associação Portuguesa de Bancos, é que a falência do Lehman Brothers marcou o fim de uma era para a Banca. Mas também é verdade, como afirmou Licínio Pina do Crédito Agrícola, é que esta falência não foi a causadora da crise em si, mas um conjunto de práticas que não foram, a seu tempo, postas em causa.

Hoje o setor financeiro está a dar os primeiros passos para que os clientes voltem a ganhar confiança no sistema financeiro, e isto só será possível se todos os seus intervenientes estiverem a caminhar no mesmo sentido e com o mesmo objetivo, sendo parceiros para chegar ao cliente e ir ao encontro das suas exigências.

Hoje existem desafios tecnológicos, é certo, mas existe um desafio maior: o da parceria. Os bancos estão finalmente prontos a abrir as portas a parcerias, muito empurrados pela nova Diretiva Europeia para os Pagamentos (PSD2), é certo, e prontos para a especialização de serviços.

Esta foi uma das palavras mais repetidas ao longo do evento: especialização. Todas as empresas do sistema financeiro, sejam bancos ou outras instituições, terão de caminhar no sentido da especialização, terão de abrir as portas a parceiros, também eles especializados nas suas áreas, para conseguirem disponibilizar produtos e serviços completos para o seu público.

A easypay, por exemplo, é especialista em pagamentos e já tem vindo a estabelecer parcerias com bancos que reconhecem essa especialidade, como o BBVA ou o BNI Europa.

Estes discursos que ouvimos no Fórum Banca, quando postos em prática, representam uma enorme mudança no setor. Compreendo o legado que o setor herdou, com a mais recente crise, e compreendendo os desafios do futuro, mas está na altura de mudar.

E o que é que vai mudar? Tudo. Já se foram os tempos em que os bancos decidiam o que era melhor para os seus clientes, criando produtos que depois lhes disponibilizavam. Hoje o cliente está no centro. Hoje o cliente exige instantaneidade, simplicidade e flexibilidade, e as empresas que não compreendem esta realidade não vão conseguir sobreviver. Hoje, as instituições financeiras que conseguirem compreender esta realidade, dando todo o poder aos clientes, são aquelas que irão vencer.

Recomendadas

Ordem dos Engenheiros distingue Navigator pelo impacto na economia e aposta na descarbonização

A Navigator foi distinguida pelo Colégio de Engenharia Mecânica pelo seu impacto positivo na economia nacional, nas exportações, no Valor Acrescentado Bruto criado, forte aposta na descarbonização, incorporando nos seus processos de gestão a circularidade dos materiais e implementação de projetos inovadores na área da transformação digital.

JE Notícias. Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo esta sexta-feira.

Premium“Quem cobra como a TAP e perde dinheiro todos os anos só é ameaça para o contribuinte”

Em entrevista ao JE,o presidente executivo da Ryanair acusa a TAP de estar a bloquear o turismo em Lisboa. Quanto a Pedro Nuno Santos é mais comedido: “abrimos uma base na Madeira com o apoio do ministro, não vou agora criticá-lo”.
Comentários