O veto americano à OPA chinesa na EDP

Será o capital chinês a proteção que vai impedir a EDP de seguir o caminho de outros ‘campeões’ nacionais, como a PT ou a Cimpor? Ou, pelo contrário, serão os chineses a presidir a esse desmantelamento?

“Em nenhuma circunstância os chineses vão controlar o que a EDP tem nos Estados Unidos”. A declaração, inequívoca, foi proferida pelo embaixador dos Estados Unidos em Portugal, na entrevista exclusiva que pode ler nas páginas 4 e 5 desta edição do Jornal Económico. As afirmações de George Glass – que foi nomeado para o cargo por Donald Trump – não deixam dúvidas sobre qual será a decisão das autoridades americanas. Os EUA não aceitam o controlo chinês no setor energético, que consideram crítico para a segurança nacional.

O que representa isto para a EDP? Como já aqui foi escrito, por muitas previsões que se possam fazer, a chave deste enigma reside naquilo que o governo de Pequim considerar ser o interesse nacional da China. Derrotada nesta OPA, a CTG vai desistir da EDP? Aceita dividir os ativos internacionais da EDP com outros investidores? Ou mantém-se como principal acionista numa lógica de longo prazo, fazendo jus à proverbial paciência chinesa e tirando proveito do seu efetivo poder de veto sobre as decisões estratégicas na elétrica? Afinal, a CTG pode não conseguir controlar a EDP a 100%, mas também ninguém pode comprar ou retalhar a empresa contra a sua vontade. E é precisamente este o risco que a EDP enfrenta. Demasiado grande e endividada para um país onde o capital escasseia, a EDP é o alvo ideal para investidores que a queiram partir aos bocados. Será o capital chinês a proteção que vai impedir a EDP de seguir o caminho de outros ‘campeões’ nacionais, como a PT ou a Cimpor? Ou, pelo contrário, serão os chineses a presidir a esse desmantelamento?

Recomendadas

Sai mais um café para a economia europeia

Depois de vários anos, a economia consome mais de quatro cafés por dia e diz que pouca diferença lhe faz. Mas os bancos centrais precisam de coragem para cortar os estímulos monetários.

As águas do Cuanza

Nós, deste lado, não estamos isentos de culpas no processo de tensão que se estabeleceu ao longo de todas estas décadas entre Angola e Portugal.

A França, o Brexit e a defesa europeia

Apesar da litigância entre a União e o Reino Unido em redor do Brexit, a França permaneceu próxima do Reino Unido em matéria de política externa e de defesa.
Comentários