OCDE corta crescimento da economia mundial para 2,9% e apela a ação política concertada

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento projeta um crescimento do PIB mundial de 2,9% no próximo ano e da zona euro de 1,2%. Instituição alerta para a necessidade de ações políticas “imediatas” para diminuir a incerteza internacional e aumentar a resiliência contra os riscos.

O crescimento do PIB mundial permanece fraco, com uma desaceleração em quase todas as economias este ano, e o comércio global está estagnado. O alerta é da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE), que apela a uma ação política a nível global capaz de responder ao abrandamento do crescimento mundial, que é o “mais fraco desde a crise financeira”.

No “Economic Outlook”, divulgado esta quinta-feira, a instituição liderada por Ángel Gurría cortou as projeções de crescimento do PIB mundial para 2,9% no próximo ano, menos 0,1 ponto percentual do que no relatório intercalar de setembro. Para este ano, a OCDE prevê um crescimento de 1,9%, enquanto em 2021 vê a economia a ter uma expansão de 3%. Já para a zona euro, a OCDE projeta um crescimento de 1,2% nos três anos em análise.

“O aprofundamento contínuo das tensões nas políticas comerciais desde maio está a afetar cada vez mais a confiança e o investimento, aumentando ainda mais a incerteza política”, explica a instituição, que considera que os efeitos dos estímulos da políticas monetárias adotadas pelos bancos centrais parecem ter menos efeitos do que no passado.

A OCDE considera que a incerteza internacional levanta “preocupações de que as expectativas de crescimento continuem a diminuir na ausência de ação política”.

“O crescimento pode ser ainda mais fraco se os riscos negativos se materializarem ou interagirem, incluindo a partir de um aumento das restrições à política comercial e investimento transfronteiriço, a contínua incerteza  sobre o Brexit, a incapacidade dos estímulos evitarem um abrandamento mais acentuado na China e o surgimento de vulnerabilidades financeiras das tensões entre o abrandamento do crescimento, a elevada dívida das empresas e a deterioração da qualidade do crédito”, justifica.

A instituição insta os governos a agirem, considerando que “a perspectiva económica moderada e os crescentes riscos negativos exigem ações políticas imediatas para reduzir a incerteza”, de modo garantir apoio suficiente à procura, aumentar a resiliência contra riscos e fortalecer as perspectivas de padrões de vida a médio prazo.

(Atualizado às 10h23) 

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários