OE 2019: os riscos e a discussão a fazer

Sendo um orçamento equilibrado e subindo a despesa pública, há que compreender que serão os contribuintes a pagar integralmente e no imediato esse aumento.

A proposta de OE 2019 reflete um orçamento praticamente equilibrado, o que é positivo e inédito em décadas. Estando Portugal em expansão económica, o ideal seria apontar para um superavit, mas a coligação que apoia o Governo talvez não estivesse preparada para tal atrevimento.

Os riscos de materialização do OE 2019 não são poucos. As previsões para o crescimento, e sobretudo para o investimento, parecem arrojadas, tendo em conta as revisões em baixa que esta componente já sofreu em 2018. Provavelmente, só um forte investimento público permitirá chegar aos +7% previstos. Por outro lado, ainda não é certo que a CGD possa distribuir dividendos e, talvez o mais importante, os riscos de uma desaceleração económica e a alteração de política monetária por parte do BCE colocam em risco a meta do défice de 2019.

Sendo um orçamento equilibrado e subindo a despesa pública, há que compreender que serão os contribuintes a pagar integralmente e no imediato esse aumento. Dito de outra forma: em 2019 haverá um agravamento de carga fiscal. A contabilidade sobre quem ganha e perde com o OE 2019 é o trabalho que deveria dominar as discussões até à aprovação do Orçamento.

Recomendadas

Bolsas da Europa sobem com Brexit. Só Lisboa e Londres fecharam em terreno negativo.

As praças europeias fecharam no verde, no rescaldo do chumbo do Parlamento britânico ao acordo Brexit levado pelo Governo de Theresa May. Só Lisboa e Londres fecharam em queda. mercado nacional terminou em ligeira baixa, apesar dos ganhos registados pela Altri e o BCP.

Trajetória positiva continua e Wall Street abre no ‘verde’

No setor financeiro, destaque para a subida de 3,49% do Goldman Sachs, depois de apresentar resultados acima do esperado. Também o Bank of America avança 5%, ao ter apresentado receitas recorde.

Science4you falha entrada na Bolsa de Lisboa

A entrada na Bolsa de Lisboa tinha sido adiada para 8 de fevereiro, mas a empresa de brinquedos didáticos liderada por Miguel Pina Martins não conseguiu o contrato de liquidez com um intermediário financeiro e acabou por desistir do processo. Após a Sonae MC e a Vista Alegre, é a terceira operação em bolsa cancelada nos últimos três meses.
Comentários