OE 2019: os riscos e a discussão a fazer

Sendo um orçamento equilibrado e subindo a despesa pública, há que compreender que serão os contribuintes a pagar integralmente e no imediato esse aumento.

A proposta de OE 2019 reflete um orçamento praticamente equilibrado, o que é positivo e inédito em décadas. Estando Portugal em expansão económica, o ideal seria apontar para um superavit, mas a coligação que apoia o Governo talvez não estivesse preparada para tal atrevimento.

Os riscos de materialização do OE 2019 não são poucos. As previsões para o crescimento, e sobretudo para o investimento, parecem arrojadas, tendo em conta as revisões em baixa que esta componente já sofreu em 2018. Provavelmente, só um forte investimento público permitirá chegar aos +7% previstos. Por outro lado, ainda não é certo que a CGD possa distribuir dividendos e, talvez o mais importante, os riscos de uma desaceleração económica e a alteração de política monetária por parte do BCE colocam em risco a meta do défice de 2019.

Sendo um orçamento equilibrado e subindo a despesa pública, há que compreender que serão os contribuintes a pagar integralmente e no imediato esse aumento. Dito de outra forma: em 2019 haverá um agravamento de carga fiscal. A contabilidade sobre quem ganha e perde com o OE 2019 é o trabalho que deveria dominar as discussões até à aprovação do Orçamento.

Recomendadas

Nasdaq sobe 1,7% e puxa por Wall Street

A Apple fechou em alta, tal como a Cisco Systems, uma das maiores empresas de serviços para redes de computadores. No lado macroeconómico, o sentimento na indústria nova-iorquina volta a melhorar em novembro.

Sonae, Pharol e Amorim com fortes descidas na Bolsa. Europa em queda com Brexit

O Brexit marcou o ritmo das bolsas europeias. Theresa May insiste no acordo com a União Europeia porque acredita que “é o que está certo e o que cumpre o interesse nacional”. Mas a primeira-ministra britânica corre o risco de uma moção de censura. A bolsa da Irlanda é a que mais cai.

Wall Street ignora possível fim da guerra comercial e abre no ‘vermelho’

Os mercados financeiros norte-americanos ainda estão pressionados pela hipótese de se assistir a condições adversas na economia dos Estados Unidos em 2019, admitidas pelo presidente da Reserva Federal, bem como por quedas de gigantes como o Facebook (-1,44%, para 142,15 dólares) ou a Amazon (-2,88%, para 1.553 dólares).
Comentários