OE2021: Governo vai elaborar Plano Ferroviário Nacional no próximo ano

O Governo vai elaborar e apresentar no próximo ano um Plano Ferroviário Nacional, refere a versão preliminar da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021, a que o Jornal Económico teve acesso.

Pedro Nuno Santos

“Durante o ano de 2021, o Governo elabora e apresenta à Assembleia da República um Plano Ferroviário Nacional que se traduza em princípios de sustentabilidade que assente num modelo em rede, que inclua linhas, ramais e trajetos interligados”, refere o documento, acrescentando que o referido plano vai definir quais as linhas férreas vocacionadas para serviços de passageiros, para ligações transfronteiriças de transporte de passageiros e mercadorias e garantir as conexões aos portos e aeroportos.

O Plano Ferroviário Nacional irá ainda definir uma hierarquização da rede de acordo com os níveis de serviço a assegurar, identificar as linhas ferroviárias com elevado potencial de desenvolvimento turístico e assegurar a ligação a todas as capitais de distrito, entre outras premissas.

Recomendadas

Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

“A justiça tributária foi infetada pela Covid 19 e esteve longos meses em coma”, diz fiscalista

Vânia Codeço, advogada da RFF & Associados – Sociedade de Avogados, revela a impreparação a justiça tributária, em particular dos tribunais, e a resposta lenta às necessidades da gestão da pandemia. Regista ainda que as inspeções tributárias e os processos de execução fiscal pararam, tendo os tribunais tributários funcionado numa lógica de serviços mínimos com o lockdown a transformá-los num órgão de soberania “quase ausente”.
Comentários