OE2021: Negociações já têm avanços concretos como novo apoio social – Governo

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, isto revela da parte do Governo “uma enorme disponibilidade para negociar” com os partidos à esquerda do PS, com os quais se tem reunido, para, “em torno destas propostas e de outras, concretizar um entendimento para o Orçamento do Estado” para 2021.

José Sena Goulão/LUSA

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares afirmou hoje à agência Lusa que já houve avanços concretos nas negociações do Orçamento do Estado, como a criação de um novo apoio social proposto pelo Bloco de Esquerda (BE).

“Há matérias muito concretas onde houve avanços: o novo apoio social, matérias como a precariedade, matérias como a preservação de contratos coletivos e de direitos associados a contratos coletivos. São algumas das matérias em que nós já tivemos de concretizar e de avançar e que têm sido centrais nas reivindicações, algumas delas com alguns anos, e a que estamos a dar resposta positiva”, declarou Duarte Cordeiro.

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, isto revela da parte do Governo “uma enorme disponibilidade para negociar” com os partidos à esquerda do PS, com os quais se tem reunido, para, “em torno destas propostas e de outras, concretizar um entendimento para o Orçamento do Estado” para 2021.

Hoje, na Amadora, a coordenadora do BE considerou que “não há nenhuma razão para o Governo precisar de Rui Rio, a menos que o PS não queira negociar com o BE”, e deu a entender que o seu partido está ainda a aguardar respostas do executivo às propostas que colocou em cima da mesa.

“Cabe ao Governo também fazer as suas propostas e as suas aproximações”, disse Catarina Martins.

Tendo em conta estas palavras da coordenadora do BE, questionado se as negociações sobre o Orçamento do Estado estão bem encaminhadas, Duarte Cordeiro respondeu: “Essa parte eu abstenho-me de comentar. A única coisa que objetivamente importa referir é a nossa disponibilidade e avanços que estamos a ter do ponto de vista das conversas em matérias centrais”.

“O BE, por exemplo, apresentou como uma das suas propostas uma nova prestação social que garantisse às pessoas que não têm apoio pelo menos um apoio que fosse diferencial até ao limiar da pobreza. Outros partidos chamaram-lhe apoio extraordinário neste ano. E o Governo, numa das reuniões que já teve oportunidade de ter, já avançou no sentido de dizer que está disponível para avançar com essa proposta”, revelou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Segundo Duarte Cordeiro, “esta é uma de várias matérias em que tem existido resposta e avanços concretos em matérias muito importantes”.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares salientou que o apoio social em causa terá “um impacto brutal do ponto de vista financeiro, mas também do número de pessoas que vai ser envolvido” e defendeu que “a existência de uma maioria que consiga avançar com estas medidas é fundamental”.

Ler mais

Recomendadas

Edmundo Martinho vai liderar comissão para elaborar Estratégia Nacional de Combate à Pobreza

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e mais seis individualidades entre as quais Carlos Farinha Rodrigues, especialista em pobreza e desigualdades, integram a recém-criada comissão que irá elaborar a Estratégia Nacional de Combate à Pobreza que será apresentada pelo Governo até 15 de dezembro. Despacho que cria nova comissão foi hoje publicado em Diário da República e sinaliza que medidas terão em conta a “degradação” das condições materiais de muitos portugueses devido à pandemia.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.
Vasco Cordeiro com Carlos César

Vasco Cordeiro diz que o PS teve “vitória clara e inequívoca” nos Açores

Líder do PS-Açores, que procura o terceiro mandato enquanto presidente do governo regional, defendeu que as eleições deste domingo “não foram um plebiscito ao governo regional”. E recusou-se a comentar paralelismos com o que aconteceu em 2015, quando a coligação liderada por Passos Coelho foi a mais votada, mas o seu governo acabou por ser derrubado na Assembleia da República.
Comentários