OE2021: Produção de eletricidade a partir de gasóleo e fuelóleo nos Açores e Madeira passa a ser tributada

Segundo a proposta preliminar a que o Jornal Económico teve acesso, esta taxa começa nos 25% em 2021 e vai depois subir gradualmente até atingir os 100% em 2025.

As duas regiões autónomas ficaram isentas nos últimos anos à tributação do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) nas suas centrais de produção de eletricidade, mas este cenário vai mudar em 2021.

Os Açores e a Madeira deixam de estar isentados de ISP, e passam a ter uma taxa de 25%, segundo a proposta preliminar do Orçamento do Estado para 2021 a que o Jornal Económico teve acesso.

Nas duas regiões, o gasóleo rodoviário e o fuelóleo utilizado na produção de eletricidade, de eletricidade e calor (cogeração), ou de gás de cidade, passa a ser tributado com ” uma taxa correspondente a 25 % da taxa de ISP e com uma taxa correspondente a 25 % da taxa de adicionamento sobre as emissões de CO2″, segundo o documento.

Esta taxa vai depois subir para 37,5% em 2022, 50% em 2023, 75% em 2024 e 100% em 2025.

A receita angariada vai ter como fim: 50% para o  Sistema Elétrico Nacional ou para a redução do défice tarifário do setor elétrico, no mesmo exercício da sua cobrança, a afetar ao Fundo para a
Sustentabilidade Sistémica do Setor Energético (FSSSE); 50% para o Fundo Ambiental.

A RA da Madeira conta com três centrais a gasóleo: Caniçal e Vitória, ambas na Madeira, e a central de Porto Santo. As centrais de Vitória, a maior central a gasóleo de Portugal, e de Porto Santo pertencem à empresa pública EEM – Empresa de Eletricidade da Madeira, enquanto que a do Caniçal pertence à empresa privada Atlantic Islands Electricity.

Já os Açores contam com nove centrais termoelétricas pertencentes à Eletricidade dos Açores (EDA) espalhadas pelas diferentes ilhas do arquipélago.

Em 2019, 61% da eletricidade produzida nos Açores teve origem térmica – 54% através da produção de fuelóleo e 7,5% a partir de gasóleo – e 38% a partir de fontes renováveis.

Já na Madeira, olhando para os dados de 2019, 75% da produção teve origem fóssil, com 25% a ter origem renovável. Na energia fóssil, a produção de eletricidade a partir de gasóleo pesou 55%, com a produção a gás natural a pesar 19%.

A EDA é detida pelo Governo regional, (50%), pela EDP (10%) e pela ESA – Energia e Serviços dos Açores SGPS (39%). Já a EEM é detida pelo Governo Regional da Madeira.

Ler mais
Recomendadas

Família Azevedo aumenta o preço da OPA sobre a Sonae Capital em 10%

A Efanor, holding da família Azevedo, reviu em alta o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. Paga agora 77 cêntimos em vez dos anteriores 70 cêntimos. Esta OPA sobre a Sonae Capital decorre em simultâneo com uma oferta sobre a Sonae Indústria. O Grupo Sonae quer retirar ambas de bolsa.

Monese e Mastercard fazem parceria europeia

O objetivo do acordo é oferecer serviços bancários locais para consumidores em toda a Europa, incluindo em Portugal. Os clientes das contas multi-currency da ‘fintech’ britânica passam a ter acesso à rede global de aceitação de cartões Mastercard.

CP assinou contrato para compra de 22 novos comboios por 158 milhões de euros

A CP prevê que a entrega da primeira unidade aconteça no final de 2024, sendo que o processo ainda terá de passar pelo Tribunal de Contas.
Comentários