Portugal avança para a terceira fase de desconfinamento a partir de segunda-feira. Saiba o que vai reabrir

O primeiro-ministro anunciou hoje que Portugal vai avançar para a terceira fase de desconfinamento. Todas as lojas vão reabrir. Centros comerciais também reabrem. Restaurantes, cafés e pastelarias vão poder receber clientes no interior.

Portugal vai avançar para a terceira fase de desconfinamento, confirmou hoje o Governo. A decisão foi tomada em Conselho de Ministros esta quinta-feira, 15 de abril.

O que reabre a partir de segunda-feira?

  • Regressam as aulas presenciais no ensino secundário e no superior;
  • Todas as lojas e centros comerciais;
  • Cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos;
  • Restaurantes, cafés e pastelarias, mas com um máximo de quatro pessoas por mesa no interior do estabelecimento;
  • Esplanadas: lotação máxima passa para as seis pessoas;
  • Horário de encerramento às 22h00 durante a semanas e às 13 horas ao fim de semana;
  • Lojas de cidadão podem voltar ao atendimento presencial por marcação;
  • Eventos exteriores com diminuição de lotação (5 pessoas por 100 m2)
  • Modalidades desportivas de médio risco;
  • Atividade física ao ar livre até seis pessoas;
  • Casamentos e batizados com 25% de lotação.

Portugal vai entrar na segunda-feira no seu 15ª estado de emergência no espaço de um ano. O Presidente da República já disse esperar que este seja o último estado de emergência, a pandemia assim o permita, de forma a que o país entre em maio sem restrições.

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários