Oficial. Vanguard Properties e Amorim Luxury já são donos da Comporta

A escritura pública do contrato de compra e venda foi assinada esta quinta-feira em Lisboa, 353 dias depois da Assembleia de Participantes do Fundo da Herdade da Comporta ter votado favoravelmente a proposta apresentada pelo consórcio Vanguard/Amorim, avaliada em 157,5 milhões de euros.

Vanguard Properties e Amorim Luxury
Paula Amorim, Miguel Guedes de Sousa, Claude Berda e José Cardoso Botelho

É oficial: o consórcio formado pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury é o novo dono dos ativos turísticos que pertenciam ao Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado da Herdade da Comporta – o Comporta Links e o Comporta Dunes, que abrangem 916 hectares.

“Estes ativos, denominados Comporta Dunes e Comporta Links, totalizam cerca de 1.380 hectares de área de desenvolvimento e floresta”, esclareceu a Vanguard Properties, em comunicado.

No ato de assinatura, estiveram presentes Claude Berda e José Cardoso Botelho, sócios na Vanguard Properties, e Paula Amorim e Miguel Guedes de Sousa, da Amorim Luxury.

A escritura pública do contrato de compra e venda foi assinada esta quinta-feira em Lisboa, 353 dias depois da Assembleia de Participantes do Fundo da Herdade da Comporta ter votado favoravelmente a proposta apresentada pelo consórcio Vanguard/Amorim, avaliada em 157,5 milhões de euros.

“A escritura pública foi celebrada nas instalações da Deloitte Consultores, entidade que supervisionou o processo concursal iniciado em agosto de 2018”, disse a Vanguard em comunicado.

O Jornal Económico apurou junto de fonte próxima ao processo que só a assinatura do contrato de compra e venda demorou cerca de uma hora.

Foi no dia 27 de novembro de 2018, no hotel Sana, em Lisboa que os dois acionistas maioritários do Fundo, a Rioforte (59,%) e o Novo Banco (15,5%), aprovaram a venda dos dois principais ativos ao consórcio Vanguard/Amorim. De resto, houve outros acionistas minoritários que se opuseram ou que se abstiveram.

Em entrevista ao Jornal Económico, em abril passado, José Cardoso Botelho, diretor-geral da Vanguard e sócio de Claude Berda, explicou que a promotora imobiliária tem um projeto pensado para o longo-prazo , com um investimento que “não deverá ser inferior a 1,5 mil milhões de euros”.

Os 916 hectares da nova Comporta terão, além de dois campos de golfe de 18 buracos, 26 loteamentos residenciais, onze aldeamentos turísticos, três aparthotéis e cinco hotéis, entre os quais se destacará o Hotel JNCQUOI Comporta, que vai nascer do anterior projeto, um luxuoso Hotel Aman, e que será gerido por Miguel Guedes de Sousa e Paula Amorim, da Amorim Luxury.

“Nesta transação o Consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury foi assessorado por André Luiz Gomes e Marta Pinto da Silva (LGPAS), José Franqueira Dias, Francisco Cortez (MLGTS) e António Payan Martins (CMS – Rui Pena & Arnaut), bem como pela KPMG, Cushman Wakefield, S+A Green Lab e João Líbano Monteiro & Associados (JLM&A)”, lê-se na nota.

A assessoria jurídica da Gesfimo ficou a cabo da sociedade de advogados pbbr, apurou o Jornal Económico.

A Vanguard Properties detém 88% do consórcio, enquanto a Amorim Luxury detém os restantes 12%.

 

Turismo: Vanguard vai investir 1,5 mil milhões na ‘nova Comporta’

Ler mais
Relacionadas

Luz verde para a Vanguard Properties comprar finalmente a Comporta. Câmara de Alcácer aprova constituição das servidões

Os ativos que o consórcio Vanguard/Amorim Luxury se prepara para adquirir estendem-se por mais de 900 hectares, abrangendo os concelhos de Alcácer do Sal e de Grândola. A Câmara Municial de Grândola já tinha aprovado a constituição das servidões administrativas. Faltava o mesmo por parte da Câmara Municial de Alcácer, que o fez esta quinta-feira.
Recomendadas

EDP encaixa mais 273 milhões com venda de défice tarifário de 2020

Através de cinco transacções individuais, eléctrica alienou 23,4% do défice tarifário de 2020 relativo ao sobrecusto com a produção em regime especial.

Autoridade da Concorrência admite mais acusações “nos próximos meses” na grande distribuição

Concorrência tem dez investigações me curso, mas admite não conseguir “ir a todos”. Embora eventuais acusações dependam das conclusões das investigações, a AdC vê na grande distribuição uma prioridade, por práticas indevidas terem potencial de limitar “opção de escolha” do consumidor.

Ações da Amazon ainda podem valorizar 16% até ao fim do ano

Mais de quatro meses após o início da pandemia, os analistas de Wall Street estimam que a empresa deve crescer mais 16% até ao fim do ano devido ao aumento da procura pelo comércio online.
Comentários