OGMA tem novo CEO vindo do Brasil

Alexandre Solis tem 20 anos de experiência na indústria aeronáutica, 17 na Embraer, principal acionista da OGMA, e até ao momento desempenhava o cargo de diretor industrial da unidade da Embraer, localizada em Botucatu, no Brasil.

Alexandre Solis é o novo CEO da OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, S.A. e apresenta mais de 20 anos de experiência na indústria aeronáutica.

Até ao momento, Alexandre Solis desempenhava o cargo de diretor industrial da unidade da Embraer, principal acionista da OGMA, localizada em Botucatu, no Brasil.

“Após nove anos na liderança da unidade de Botucatu, assumo este novo desafio com total motivação e vontade de levar a OGMA a fazer mais e melhor tanto na área de manutenção de aeronaves civis e militares, motores e componentes como no fabrico e montagem de aeroestruturas. Portugal é uma aposta da Embraer e a OGMA tem dado um contributo decisivo para a afirmação da indústria aeronáutica portuguesa. Estão reunidas todas as condições para que a OGMA continue a crescer e a desenvolver-se nos próximos anos”, afirma Alexandre Solis.

Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Itajubá (Brasil), com especialização em Administração e Finanças pela Fundação Getúlio Vargas (CEAG-FGV/SP) e um MBA Internacional pela FIA – Fundação Instituto de Administração da USP – Universidade de São Paulo, Alexandre Solis começou a sua carreira na indústria automóvel e, em 1998, iniciou funções na Embraer, onde nos últimos 17 anos passou pela liderança de várias unidades da empresa no Brasil e no exterior, adianta um comunicado da OGMA.

Segundo esse documento, em 2011 foi nomeado diretor industrial da Embraer, assumindo os cargos de responsável pela unidade de Botucatu, um centro de excelência de fabricação de estruturas aeronáuticas e montagem de fuselagens para aeronaves civis e militares da Embraer, e de principal executivo da Embraer Agrícola.

Alexandre Solis foi também responsável pelas áreas de vendas, ‘marketing’, finanças e ‘aftermarket’, contribuindo, nos últimos anos, para o aumento da produtividade, da satisfação dos clientes e do portefólio de produtos.

Entre 2014 e 2017, exerceu funções na fábrica de interiores executivos da unidade da Embraer em Gavião Peixoto.

Trabalhou na JV Embraer/Zodiac no México e contribuiu, em 2006, para a incorporação da Kawasaki pela Embraer, sendo responsável pela produção das asas do Embraer E190.

De 2003 a 2006, no início da ‘joint venture’ da Embraer/AVIC, foi responsável pela implementação da parte industrial da fábrica de Harbin, na China.

Entre 1998 e 2003, exerceu o cargo de engenheiro de desenvolvimento de processos e automação na Embraer de São José dos Campos, tendo exercido, anteriormente, o cargo de supervisor de produção na ALCOA EES (1996 a 1998).

Alexandre Solis foi um dos fundadores da Empresa Junior da Universidade Federal de Itajubá, que até hoje faz projetos e integra alunos e empresas da região Minas Gerais.

Fundada a 29 de junho de 1918, a OGMA completou em 2018 cem anos de existência, assentando a sua atividade em duas áreas de negócio – manutenção, reparação e revisão geral de aeronaves e de motores e componentes de aviação civil e de defesa, e fabrico e montagem de aeroestruturas para aeronaves civis e militares.

Desde a privatização, concretizada em 2005, a OGMA é detida em 65% pela Airholding SGPS (100% EMBRAER) e em 35% pela Empordef (100% Estado Português).

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários