Oi teve perdas de 9 mil milhões de reais em 2019

A operadora brasileira Oi passou de lucros a prejuízos em 2019. A portuguesa Pharol tem 5,5% da Oi.

A operadora brasileira Oi voltou, em 2019, ao ter prejuízos. No conjunto do exercício teve perdas de 9 mil milhões de reais (1,6 mil milhões de euros). Este prejuízo compara com os lucros de 24,591 mil milhões de reais (cerca de 5,175 mil milhões de euros) em 2018.

A Oi que tem a Pharol como uma das suas acionistas com 5,5%, teve prejuízos de -1,971 mil milhões de reais só nos últimos três meses do ano, no Brasil, ainda assim melhorou em 40% face ao período homólogo do ano anterior. No quarto trimestre de 2019 as receitas caíram -8,6% para 4,862 mil milhões de reais.

A companhia brasileira explica a quebra das suas receitas. “No acumulado de 2019, a receita líquida total consolidada foi de 20.136 milhões de reais (3,66 mil milhões de euros), uma queda de 8,7% em relação a 2018″, com o EBITDA recorrente a recuar 23,7%, para 4.464 milhões de reais (812 milhões de euros).

Quanto ao passivo, a operadora brasileira encerrou o ano com mais dívida, No final de 2019, a sua dívida bruta ascendia a 18.227 milhões de reais (3,31 mil milhões de euros), um aumento de 1,8% quando comparado com o trimestre anterior e de 10,8% face ao ano anterior.
 

Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.
Comentários