OMS cria programa para distribuir medicamentos contra a Covid por menos de 10 euros

Para arrancar com a iniciativa intitulada de ACT-A, a OMS pede um financiamento adicional de 22,8 mil milhões aos líderes mundiais do G20.

Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai ficar encarregue de liderar um programa que visa garantir que os países mais pobres têm acesso justo a vacinas, testes e tratamentos contra a Covid-19. De acordo com um documento interno datado a 13 de outubro a que a “Reuters teve acesso esta iniciativa intitulada de ACT-A, pretende conseguir medicamentos antivirais para pacientes com sintomas leves por apenas 10 dólares (cerca de 8,58 euros).

Segundo a publicação, a pílula experimental molnupiravir da Merck & Co. é um dos fármacos visados para integrar a lista de medicamentos desta iniciativa que pretende, até setembro de 2022, entregar mil milhões de testes anti Covid-19 aos países mais pobres e adquirir medicamentos para tratar 120 milhões de pacientes em todo o mundo. Estes preparativos surgem na sequência de uma previsão que estima que nos próximos 12 meses sejam detetados cerca de 200 milhões de novos casos deste vírus.

A nova iniciativa sublinha a motivação da OMS querer reforçar o fornecimento de medicamentos e testes a um preço relativamente baixo depois de ter ficado para trás na corrida às vacinas em relação aos países mais ricos que, logo no arranque da distribuição destes fármacos, conseguiram ficar com grande parte das remessas disponíveis no mundo, deixando os países mais pobres com números residuais.

O ACT-A pede, portanto, aos líderes mundiais do G20, do qual faz parte a União Europeia, um reforço adicional de 22,8 mil milhões de dólares (cerca de 105,31 mil milhões de euros) até setembro do próximo ano, cheque que será usado para para comprar e distribuir vacinas, testes e medicamentos para os países mais pobres. Até ao momento, já foram prometidos 18,5 mil milhões de dólares (cerca de 15,87 mil milhões de euros).

Este pedido de financiamento é baseado em estimativas detalhadas sobre o preço dos medicamentos, tratamentos e exames, que representarão os maiores gastos do programa depois do custo da distribuição das vacinas.

Apesar da OMS estimar que o valor da pílula experimental da Merck & Co seja de 10 dólares, um estudo realizado pela Universidade de Harvard estimou que o molnupiravir poderia custar cerca de 20 dólares (cerca de 17,15 euros) se produzido por fabricantes de medicamentos genéricos, com o preço potencialmente a cair para  7,7 dólares (6,6e euros) caso a produção seja otimizada.

Recomendadas

Farmácias fazem “tudo o que é humanamente possível” face à procura de testes

Segundo disse Ema Paulino à Lusa, na terça-feira as farmácias portuguesas realizaram 47.500 testes de antigénio, quando na sexta-feira anterior foram feitos cerca de 30.500 despistes do coronavírus.

Já foram multados 152 passageiros e 10 companhias nas fronteiras aéreas por falta de teste

Os dados do MAI avançam também que pelo menos 10 companhias aéreas foram multadas por terem transportado passageiros sem teste negativo à covid-19 ou certificado de recuperação, condições obrigatórias desde quarta-feira para entrar em Portugal continental através das fronteiras aéreas.

Câmara de Lisboa diz que ministra da Saúde tem de “pôr ordem” na vacinação

“A ministra tem de pôr a casa em ordem, tem de pôr os serviços de saúde em ordem e a funcionarem bem, coisa que não está a acontecer”, disse Ângelo Pereira, à margem de uma iniciativa a propósito do Dia Internacional de Pessoa com Deficiência.
Comentários