ONU e OEA pedem esclarecimentos ao Brasil pela falta de segurança pública

O Brasil vai ter de responder, até 20 de agosto, a um pedido de esclarecimento das Nações Unidas sobre um relatório apresentado pela deputada Renata Souza sobre segurança pública no país, em especial no Rio de Janeiro, disse à Lusa a política brasileira.

Varela Notícias

“Eu reuni-me em Genebra [Suíca] com a relatora para as execuções extrajudiciais da ONU, Agnes Callamarb, com quem pode confirmar o envio de uma carta conjunta da ONU e da OEA [Organização de Estados Americanos) ao Brasil, para que preste esclarecimentos sobre o relatório sobre segurança pública no país, especialmente na cidade do Rio de Janeiro”, afirmou em entrevista à Lusa a deputada estadual do Partido Socialismo e Liberdade (Psol), que é também a primeira mulher negra à frente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro] e autora do relatório e denúnica junto das duas organizações internacionais.

“Isto é o fundamental”, reforçou Renata Souza, acrescentando que no mesmo encontro abordou também o caso do assassinato da Marielle Franco em março de 2018, vereadora eleita pelo Psol no Rio de Janeiro, sendo na altura a quinta mais votada, e de quem a agora deputada foi assessora.

Sobre este caso, a deputada diz que “hoje, no Brasil, há uma investigação da investigação. E isso é muito sério e muito complicado e demonstra que, em algum momento, no curso das investigações algo aconteceu de muito errado e de muito grave e que alguém tentou proteger alguém”.

“Então é supre-importante que as instituições internacionais de direitos humanos estejam atentas e continuem pressionando para se saber quem mandou matar a Marielle. Porque os assassinos, diretamente, ou seja quem apertou o gatilho, foram presos, mas eles são assassinos por aluguer. E a gente precisa de saber quem mandou matar a Marielle”, considerou.

Da ONU diz que trouxe a promessa de que a organização irá continuar a acompanhar o caso do assassinato da deputada e pressionar o governo brasileiro para que haja uma resposta.

A deputada estadual Renata Souza (PSOL-RJ), a primeira mulher negra a presidir à Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), fez este ano uma denúncia sobre a atuação do governador Wilson Witzel (PSC) na segurança pública do Rio de Janeiro à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Após aquela denúncia, foi alvo de um processo de cassação de mandato, movido pelos deputados do partido de Wilson Witzel.

A ação do governador do Rio de Janeiro, que Ranata Souza denunciou e alvo de polémica, foi divulgada num vídeo nas redes sociais. Neste vídeo Witzel está, em Angra dos Reis, num helicóptero da Coordenação de Recursos Especiais da Polícia Civil. E do alto, atiradores de elite disparam contra moradores das favelas.

Renata considerou que esta ação num vídeo aberto seria uma forma de intimidação pela parte do Governador.

A estadia do governador e da sua família no hotel de luxo daquela região, durante o período que acompanhava as operações policiais, também foi alvo de uma investigação do Ministério Público Estadual, após o político ter afirmado que teria custeado o hotel e depois ter voltado atrás nesta explicação, afirmando que teria recebido uma cortesia.

A reunião que Renata Souza teve com a relatora da ONU, surge no contexto de um périplo que a deputada estadual do Rio de Janeiro está a fazer pela Europa, que a levou também a França, e agora a Lisboa.

Como deputada e como Presidente da Comissão dos Direitos Humanos Renata Souza tem como objetivo neste périplo europeu explicar o que se está a passar no Brasil, mas também “buscar aliados” para as causas que defende.

Hoje à tarde, participa num debate com a deputada do Bloco de Esquerda, Beatriz Dias, e com Joacine Katar, cabeça de lista por Lisboa do Partido Livre, sobre a participação das mulheres negras na política, explicou.

Ler mais
Recomendadas

Novo Presidente argentino quer agenda ambiciosa com o Brasil, para além da tensão com Jair Bolsonaro

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, destacou esta terça-feira no Brasil no seu discurso de posse no parlamento e pediu uma “agenda ambiciosa” apoiada pela história dos dois povos e não pela “diferença pessoal” com o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro.

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Comentários