Operação Lex: Juíza Fátima Galante sancionada com aposentação compulsiva

A juíza Fátima Galante, arguida no processo Operação Lex juntamente com o ex-marido e juiz Rui Rangel, foi hoje sancionada com aposentação compulsiva pelo Conselho Superior da Magistratura, disse à Lusa fonte deste órgão de disciplina.

O processo-crime Operação Lex, ainda em fase de inquérito, tem 14 arguidos e investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

Fátima Galante e Rui Rangel são dois dos arguidos neste caso, que envolve, entre outros, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do clube Fernando Tavares, e ainda João Rodrigues, advogado e ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol.

As diligências do processo decorreram em 30 de janeiro de 2018, não havendo ainda acusação. O processo está a cargo do Ministério Público junto do Supremo Tribunal de Justiça.

Relacionadas

Operação Lex: Juiz Rui Rangel demitido da magistratura

O juiz Rui Rangel foi esta terça-feira demitido da magistratura pelo Conselho Superior da Magistratura (CSM), devido ao seu envolvimento no processo criminal Operação Lex, revelou à agência Lusa fonte do CSM.
Recomendadas

Ao fim de 40 anos, Amadeu Guerra jubila-se e sai da PGDL

Procurador geral Distrital de Lisboa jubilou-se no final de junho. Amadeu Guerra estava na liderança da PGDL desde o início de 2019, depois de seis anos à frente do Departamento de elite do Ministério Público, o DCIAP, que nos últimos anos investigou casos como a “Operação Marquês”, processo da EDP, processo Monte Branco e caso BES, entre outros.

Covid-19: Juiz Carlos Alexandre “forçado” a isolamento profilático

Delegado de Saúde de Lisboa recomendou isolamento ao magistrado judicial depois de várias pessoas que estiveram envolvidas numa busca a uma agência bancária em Leiria terem contraído o vírus.

Suspensão de funções de Mexia obriga MP a ter acusação pronta até março

O Ministério Público tem oito meses para deduzir a acusação no processo das rendas excessivas- Este é prazo que a lei prevê para a suspensão de funções como no caso de António Mexia e João Manso Neto na EDP, cujos mandatos terminam a 31 de dezembro deste ano. Caso não haja acusação neste prazo, ou seja, até março, extingue-se a medida de coação ontem decretada pelo juiz Carlos Alexandre. Eventual recondução destes dois gestores na elérica nacional parece estar irremediavelmente afastada.
Comentários