Operação Marquês: MP acredita que houve mais banqueiros a receber luvas

O procurador Rosário Teixeira refere que se trata de “cidadãos portugueses”, que “tinham responsabilidades em instituições financeiras e na concessão de crédito”.

Eric Vidal/Reuters

Além de Ricardo Salgado e de Armando Vara, esta terça-feira veio a público a informação de que outros banqueiros são suspeitos de terem recebido comissões ilegais, à margem da Operação Marquês. A notícia foi avançada pelo “Diário de Notícias” e dá conta de que a nova investigação do Ministério Público partiu de dados bancários enviados pela Suíça.

Ainda não são conhecidos nomes, mas o procurador Rosário Teixeira refere que se trata de “cidadãos portugueses”, que “tinham responsabilidades em instituições financeiras e na concessão de crédito” e que são “pessoas distintas” às que já foram constituídas arguidas.

De acordo com o matutino, o magistrado considera poder estar-se perante uma situação de crime de burla qualificada, tendo em conta que terá sido “gerado um engano sobre os interesses subjacentes aos financiamentos em causa” e que as tais operações financeiras na Suíça têm “intervenções e procedimentos de financiamento a clientes”.

Ao que o DN apurou, o procurador pediu extratos bancários de contas tituladas por offshores do amigo do ex-primeiro ministro José Sócrates Carlos Santos Silva e de uma conta bancária de Joaquim Barroca, administrador do Grupo Lena, de contas ligadas a três offshores controladas pelo antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos Armando Vara.

Recomendadas

Acidente de Borba: Instrução do processo da derrocada da estrada começa hoje em Évora

O antigo diretor regional de Economia do Alentejo João Filipe de Jesus, a funcionária da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) Maria João Figueira e o responsável técnico da empresa que possui a licença de exploração da pedreira Paulo Alves foram outros dos acusados que requereram abertura da instrução.

Justiça espanhola condena construtora do presidente do Real Madrid por “cláusulas abusivas”

A construtora Cobra, presidida por Florentino Pérez, foi condenada pela aplicação de até quatro cláusulas que consideradas abusivas e que o juiz garantiu constituirem uma série de prazos com o objetivo de atrasar os pagamentos prometidos para além dos 60 dias previstos em lei para o pagamento de fornecedores no caso do setor privado (30 dias para empresas público).

Supremo Tribunal de Justiça rejeita reclamações dos juízes Rangel e Fátima Galante

Os antigos juízes do Tribunal da Relação de Lisboa são arguidos no processo-crime Operação Lex, tendo, por deliberação do Conselho Superior da Magistratura sido sancionados com uma demissão e a aposentação compulsiva, decisões das quais recorreram.
Comentários