Operação Rota do Cabo. Medidas de coação já são conhecidas

Os detidos foram presentes ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para primeiro interrogatório judicial, no dia 16 de outubro.

Na sequência de dezenas de pessoas terem sido detidas pela Polícia Judiciária (PJ) no âmbito da Operação Rota do Cabo, que procura desmantelar uma alegada rede criminosa de auxílio à imigração ilegal, como medida de coação um advogado ficou em prisão preventiva enquanto os restantes arguidos saíram em liberdade, avançou a SIC Notícias esta sexta-feira, 18 de outubro.

Em causa está a existência de uma alegada rede criminosa de auxílio à imigração ilegal que teria a colaboração de funcionários da Autoridade Tributária, do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e do Instituto da Segurança Social.

Em 15 de outubro, em comunicado, a PJ revelou ter realizado dezenas de buscas domiciliárias e não domiciliárias e a detenção de dezenas de pessoas suspeitas de integrarem esta estrutura criminosa.

A estrutura criminosa era “constituída por indivíduos com vastos antecedentes criminais e com ligações a redes internacionais que determinam e controlam os fluxos migratórios irregulares com origem em diversos países da Ásia Meridional e África”.

Os detidos, com idades compreendidas entre os 28 e os 64 anos, são suspeitos da prática dos crimes de associação criminosa, auxílio à imigração ilegal, de casamento por conveniência, de falsificação de documentos, de abuso de poder, de corrupção ativa e passiva, de branqueamento, de falsidade informática e acesso indevido, atividade criminosa que permitiu obter elevados proventos financeiros.

A operação foi realizada pela PJ, através da Unidade Nacional Contra-Terrorismo (UNCT), no âmbito de inquérito titulado pela 4.ª Secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Durante a operação foi dado cumprimento de mandados de busca e apreensão e mandados de detenção com o objetivo de “desmantelamento de uma organização criminosa responsável pela introdução ilegal em Portugal e na Europa, de milhares de imigrantes”.

Os detidos foram presentes ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para primeiro interrogatório judicial, no dia 16 de outubro.

Ler mais
Recomendadas

Ao fim de 40 anos, Amadeu Guerra jubila-se e sai da PGDL

Procurador geral Distrital de Lisboa jubilou-se no final de junho. Amadeu Guerra estava na liderança da PGDL desde o início de 2019, depois de seis anos à frente do Departamento de elite do Ministério Público, o DCIAP, que nos últimos anos investigou casos como a “Operação Marquês”, processo da EDP, processo Monte Branco e caso BES, entre outros.

Covid-19: Juiz Carlos Alexandre “forçado” a isolamento profilático

Delegado de Saúde de Lisboa recomendou isolamento ao magistrado judicial depois de várias pessoas que estiveram envolvidas numa busca a uma agência bancária em Leiria terem contraído o vírus.

Suspensão de funções de Mexia obriga MP a ter acusação pronta até março

O Ministério Público tem oito meses para deduzir a acusação no processo das rendas excessivas- Este é prazo que a lei prevê para a suspensão de funções como no caso de António Mexia e João Manso Neto na EDP, cujos mandatos terminam a 31 de dezembro deste ano. Caso não haja acusação neste prazo, ou seja, até março, extingue-se a medida de coação ontem decretada pelo juiz Carlos Alexandre. Eventual recondução destes dois gestores na elérica nacional parece estar irremediavelmente afastada.
Comentários