Operadores turísticos de Cabo Verde “descontentes” com novo plano de voo da Binter CV

A ilha cabo-verdiana do Maio passa a contar com ligações áreas três vezes por semana (às segundas, quintas e domingos), o que, na opinião dos operadores turísticos, é uma “medida lesiva” para o setor.

Operadores turísticos na ilha do Maio, em Cabo Verde, manifestaram-se esta quinta-feira “descontentes” com o novo plano de voo colocado em vigor pela companhia área Binter CV, que entrou hoje em vigor.

A ilha cabo-verdiana do Maio passa a contar com ligações áreas três vezes por semana (às segundas, quintas e domingos), o que, na opinião dos operadores turísticos, é uma “medida lesiva” para o setor do turismo na ilha, visto que muitos dos seus clientes já cancelaram as viagens.

Segundo Ornela, em representação do empreendimento turístico Stella Maris, o mais grave é que esta medida foi divulgada “tardiamente”, aliás, sintetizou, num momento em que todos os seus clientes já tinham as reservas feitas e com passagem adquiridas.

Conforme avançou Ornela à imprensa local, todos os operadores turísticos estavam a contar que iriam ter uma época alta com vários clientes, mas que devido a este novo plano os turistas já manifestaram descontentamento, cancelando as reservas e a procurarem outros destinos para passar férias.

“Este plano de voo é muito lesivo, tanto para os turistas como para nós, porque muitos que preferiam passar uma semana na ilha, agora não vão puder fazê-lo, visto que são obrigados a ficarem mais dois ou três dias na Cidade da Praia e reduzirem a estadia no Maio, horário de voo que os impedem de apanhar voos internacionais”, salientou.

Por seu lado, o gerente do Hotel Big Game, Matia Ricci, disse também que muitos clientes, “zangados” com a companhia Binter, já cancelaram as suas reservas dizendo que vão procurar um outro destino, porque compraram os seus bilhetes com alguns meses de antecedência e só agora, no momento em que pretendiam viajar para ilha, recebem a informação que vai ser implementado um novo plano de voo.

Aquele operador turístico defendeu que este plano de voo é incompatível para um turista que queira visitar a ilha e depois apanhar o voo internacional de regresso ao país de origem, salientou que “ o mais grave” ainda é que um turista que queira vir visitar a ilha possa cancelar a sua viajem, porque não tem garantia de que esse plano de voo vá continuar, porque “eles querem uma garantia de regresso”.

O entrevistado afiançou ainda que todos os operadores estavam a contar com uma época alta, mas a situação é totalmente diferente. “Desde que estamos a operar na ilha este é o pior ano por esta altura comparando com os anos anteriores, porque neste momento temos somente dois a três quartos ocupados”, concretizou.

Matia Ricci vai mais longe ao afirmar que os sucessivos governos “têm feito de tudo para que o turismo na ilha não avance” e apontou como exemplo a mudança contínua de voos, além do prometido arranque dos trabalhos da requalificação do porto que até o momento nada foi feito. Confessou, por fim, que tem aconselhado os seus amigos que queiram investir na ilha, para procurem outro sítio, porque “aqui tudo está parado e cada ano pior”.

Ler mais
Recomendadas

CAL elege nova direção. Lista liderada por Moçambique tem todos os países da CPLP

Vão estar na assembleia geral, que será presidida por Rogério Hilário, em representação do CEC, representantes da CPLP — Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Investimentos públicos na ilha de Santo Antão devem ultrapassar os 960 mil contos em 2020

A maior fatia orçamental está destinada à requalificação urbana e melhoria de acessibilidades da ilha cabo-verdiana.

Exploração política está a aumentar sentimento de insegurança em Cabo Verde, diz ministro Paulo Rocha

Segundo o governante que lidera o MAI cabo-verdiano, o país contabiliza desde o início do ano 31 homicídios (o último dos quais no sábado, na Praia), contra os 37 em todo o ano de 2018 e 38 no ano anterior.
Comentários