Optimal Investments apoia portuense Omniflow no financiamento de 2 milhões de euros

O fundo de capital de risco HCapital New Ideas investiu na startup ligada à energia inteligente e Internet of Things.

A Optimal Investments assessorou financeiramente a empresa Omniflow no fecho de uma ronda de financiamento de dois milhões de euros, tendo o fundo de capital de risco HCapital New Ideas sido o responsável por este investimento no setor das energias inteligentes.

A operação foi liderada por Luís Paulo Tenente, sócio da Optimal Investments, e vai permitir à startup do Porto continuar a investir no seu plano de crescimento, através do reforço da equipa de gestão nas áreas do desenvolvimento de software, comercial e Internet das Coisas (“IoT”), bem como consolidar a estratégia de internacionalização (atualmente, também tem presença nos Estados Unidos, Alemanha, Itália, Emirados Árabes Unidos, Turquia, Índia e Bélgica).

“Esta nova ronda vem permitir-nos ter o suporte financeiro adicional para que possamos ser um pouco mais rápidos na implementação da nossa estratégia global onde já contamos com aproximadamente mil equipamentos instalados em mais de 20 países”, disse Pedro Ruão, presidente da Omniflow, aquando do anúncio da transação.

Fundada em 2011, a startup do Porto criou uma plataforma inteligente para IoT (“Omniled”), que produz energia a partir de fontes renováveis e armazena-a em baterias, conta com o apoio da Portugal Ventures desde o início do projeto.

“Acreditamos que este financiamento conjugado com o papel ativo dos parceiros do ecossistema do Fundo New Ideas, irá contribuir para a aceleração da expansão internacional da Omniflow e a consolidação da sua posição como empresa de soluções de IoT para cidades sustentáveis e inteligentes”, concluiu Rui Dias Alves, administrador da HCapital.

Relacionadas

Matosinhos testa no terreno como vão ser as cidades do futuro

As cidades inteligentes já são uma realidade, pelo menos em termos tecnológicos. Com mais 18 parceiros, a autarquia vai promover a sua experimentação em tempo real. E com pessoas a sério lá dentro.
Recomendadas

PremiumSérgio Gaio: “Empresas devem preocupar-se em entender os próprios dados”

Sérgio Gaio, ‘associate director’ da Accenture Technology, defende que a tendência no sentido de bens e serviços cada vez mais personalizados pode ser positiva sobretudo para os setores da indústria.

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.
Comentários