Ordem dos Enfermeiros vai apresentar queixa contra inspetores de saúde

Sequestro qualificado, furto qualificado e coacção agravada são alguns dos nove crimes alegadamente praticados por Leonor Furtado e pelos inspetores que liderou neste processo.

Foto: Cristina Bernardo

A Ordem dos Enfermeiros (OE) vai apresentar, esta segunda-feira, uma queixa-crime contra a inspectora geral das Actividades em Saúde e contra os inspectores que participaram na sindicância a esta associação profissional, que foi pedida pela ministra Marta Temido, em abril passado.

De acordo com o jornal Público, estão em causa nove crimes alegadamente praticados por Leonor Furtado e pelos inspectores que liderou neste processo. Na lista incluem sequestro qualificado, furto qualificado, coacção agravada, introdução em lugar vedado ao público, abuso de poder, acesso ilegítimo a dados informáticos, dano, difamação agravada e ofensa a pessoa colectiva agravada.

A OE considera que a sindicância terminou e não vai disponibilizar mais informações, testemunhos ou documentos, a não ser que a ministra da Saúde obtenha uma ordem judicial para voltar a entrar na instituição.

Pedida em abril por Marta Temido “no exercício dos poderes inspectivos decorrentes da tutela de legalidade do Governo sobre a Ordem dos Enfermeiros”, a sindicância tem como objectivos indagar “indícios de eventuais ilegalidades resultantes de intervenções públicas e declarações dos dirigentes da OE” e averiguar a gestão das contas da ordem.

Recomendadas

Ministra da Saúde defende que é necessário reorganizar maternidades

“Nesta época, procurámos garantir que as faltas [de profissionais] são supridas com recurso a prestação de serviço”, disse Marta Temido.

Lisboa tem a partir de hoje clínica de saúde oral gratuita para jovens até 18 anos

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa abriu hoje no centro da cidade uma unidade de medicina dentária com consultas gratuitas para todas as crianças e jovens até aos 18 anos que vivam ou estudem no concelho.

Falta de medicamentos nas farmácias afeta milhares de doentes em Portugal

A indisponibilidade de medicamentos afetou 3,4 milhões de utentes, sendo que mais de 370 mil pessoas não tiveram alternativa a não ser interromper o tratamento.
Comentários