Ordem dos Enfermeiros vai apresentar queixa contra inspetores de saúde

Sequestro qualificado, furto qualificado e coacção agravada são alguns dos nove crimes alegadamente praticados por Leonor Furtado e pelos inspetores que liderou neste processo.

Foto: Cristina Bernardo

A Ordem dos Enfermeiros (OE) vai apresentar, esta segunda-feira, uma queixa-crime contra a inspectora geral das Actividades em Saúde e contra os inspectores que participaram na sindicância a esta associação profissional, que foi pedida pela ministra Marta Temido, em abril passado.

De acordo com o jornal Público, estão em causa nove crimes alegadamente praticados por Leonor Furtado e pelos inspectores que liderou neste processo. Na lista incluem sequestro qualificado, furto qualificado, coacção agravada, introdução em lugar vedado ao público, abuso de poder, acesso ilegítimo a dados informáticos, dano, difamação agravada e ofensa a pessoa colectiva agravada.

A OE considera que a sindicância terminou e não vai disponibilizar mais informações, testemunhos ou documentos, a não ser que a ministra da Saúde obtenha uma ordem judicial para voltar a entrar na instituição.

Pedida em abril por Marta Temido “no exercício dos poderes inspectivos decorrentes da tutela de legalidade do Governo sobre a Ordem dos Enfermeiros”, a sindicância tem como objectivos indagar “indícios de eventuais ilegalidades resultantes de intervenções públicas e declarações dos dirigentes da OE” e averiguar a gestão das contas da ordem.

Recomendadas

Maioria dos adolescentes em Portugal compra tabaco sem entraves

“Em Portugal, a legislação atual relativa ao tabagismo (parcial e fracamente fiscalizada) não está a ser suficiente para travar os adolescentes menores de idade a ter acesso ao tabaco ou fumar”, refere Teresa Leitão, uma das autoras do estudo divulgado pelo Público.

Falhas no acesso a medicamentos devem-se à globalização, revela ministra da Saúde

A ministra notou que “nos últimos meses, em Portugal, mas também em outros países, têm sido reiteradas as notícias sobre falhas no acesso a determinados medicamentos” e apontou que “um dos tópicos centrais da agenda de hoje foi exatamente a discussão entre os vários Estados-membros, entre os vários ministros da Saúde, sobre estratégias de forma a enfrentar essas dificuldades”.

Joana Amaral Dias sobre morte do pai. “Espero que o INEM não varra o inquérito para baixo do tapete”

Joana Amaral Dias mostrou-se revoltada com os serviços nacionais de emergência, em concreto com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), pelas falhas no socorro ao seu pai.
Comentários