Ordem dos Engenheiros debate roteiro para o hidrogénio em Portugal

Está previsto que João Galamba, secretário de Estado Adjunto e da Energia, proceda ao enceramento deste debate.

A Ordem dos Engenheiros (OE) e a Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio (AP2H2) estão a organizar o ‘workshop’ que está a decorrer hoje, no dia 2 de dezembro, na sede nacional da OE, em Lisboa, para apresentação pública do “Roadmap para o Hidrogénio: A visão da AP2H2 para Portugal”.

Está previsto que João Galamba, secretário de Estado Adjunto e da Energia, proceda ao enceramento deste debate.

Segundo um comunicado da OE, “a iniciativa tem por objetivo apresentar e discutir publicamente a proposta de ‘RoadMAP’, elaborado pelo CENSE/ FCT-UNL [Faculdade de Ciência e Tecnologia] em parceria com a AP2H2 e o apoio do SIAC [Iniciativa de Transferência de Conhecimento] no âmbito do projecto H2SE [Hidrogénio e sustentabilidade Energética]”.

Esta nota informativa adianta que, além do bastonário da OE, Carlos Mineiro Aires, e do presidente da AP2H2, estão a participar nesta sessão especialistas em energia e em transportes, responsáveis das maiores empresas dos setores relacionados com o tema, autarquias, instituições académicas, científicas e de investigação.

“O ‘RoadMAP’ espelha a visão da AP2H2 contrariando os cenários para o H2 desenhados pelo Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC), mas concordante com a atual Agenda Europeia, e pretende ser um contributo necessário para viabilizar os compromissos assumidos pelo país de cumprimento das metas que decorrem do Acordo de Paris (2015) e das deliberações comunitárias relativas à minimização dos gases com efeito de estufa e controlo das alterações climáticas”, assinala o referido comunicado.

Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários