Ordem espera “mudança no caminho” de ministra que “apelidou enfermeiros de criminosos”

A bastonária Ana Rita Cavaco disse esperar uma “mudança no caminho e na relação que a ministra, Marta Temido, tem com a classe em si”, e não tanto com a Ordem, recordando que os enfermeiros são a maior classe profissional do Serviço Nacional de Saúde.

Foto: Cristina Bernardo

A bastonária dos Enfermeiros destaca que a ministra da Saúde hoje reconduzida foi a governante que “apelidou os enfermeiros de criminosos”, mas acredita que há sempre margem para corrigir trajetos e manifesta-se disponível para o diálogo.

Num comentário à continuação de Marta Temido como ministra da Saúde, a bastonária Ana Rita Cavaco disse esperar uma “mudança no caminho e na relação que a ministra, Marta Temido, tem com a classe em si”, e não tanto com a Ordem, recordando que os enfermeiros são a maior classe profissional do Serviço Nacional de Saúde.

A bastonária aludiu ainda a declarações da ministra feitas em dezembro do ano passado, quando, numa entrevista disse ter-se recusado a iniciar conversações com os enfermeiros em greve pois isso seria beneficiar “o criminoso, o infrator”.

Depois desta declaração, a ministra enviou um pedido de desculpas através da própria bastonária.

“Há sempre espaço para as pessoas poderem corrigir trajetos, caminhos e formas de estar”, afirmou à agência Lusa a representante dos enfermeiros.

Ana Rita Cavaco lamenta contudo a “falta de disponibilidade” que Marta Temido foi revelando para com os parceiros profissionais e sociais, mas mostra-se disponível para “dialogar e resolver problemas em conjunto”.

“Da nossa parte podem contar com disponibilidade para o diálogo mas também para continuar a fazer denúncias sempre que houver uma quebra na segurança da prestação de cuidados de enfermagem”, referiu.

A ministra Marta Temido tem tido, ao longo de um ano no executivo, uma relação crispada com a Ordem dos Enfermeiros, à qual determinou a realização de uma sindicância, por exemplo.

Ler mais
Recomendadas

Hospitais impedidos de aumentar número de trabalhadores em 2020

Os hospitais vão continuar em 2020 impedidos de aumentar o número de trabalhadores sem a autorização prévia do Ministério da Saúde.

Um bom remédio para a saúde

Os planos de saúde são uma solução que contribui de forma importante para assegurar a chamada ‘first mile’ no acesso das pessoas aos cuidados e transmitir o conforto que o utente e o sistema, como um todo, precisam para funcionar sem sobressaltos.

Utentes e sindicatos hoje em vigília contra fecho da urgência pediátrica do Garcia de Orta

As comissões de utentes de Almada e Seixal, com o apoio dos sindicatos, vão concentrar-se hoje em vigília contra o encerramento da urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta, no distrito de Setúbal.
Comentários