Ordem espera “mudança no caminho” de ministra que “apelidou enfermeiros de criminosos”

A bastonária Ana Rita Cavaco disse esperar uma “mudança no caminho e na relação que a ministra, Marta Temido, tem com a classe em si”, e não tanto com a Ordem, recordando que os enfermeiros são a maior classe profissional do Serviço Nacional de Saúde.

Foto: Cristina Bernardo

A bastonária dos Enfermeiros destaca que a ministra da Saúde hoje reconduzida foi a governante que “apelidou os enfermeiros de criminosos”, mas acredita que há sempre margem para corrigir trajetos e manifesta-se disponível para o diálogo.

Num comentário à continuação de Marta Temido como ministra da Saúde, a bastonária Ana Rita Cavaco disse esperar uma “mudança no caminho e na relação que a ministra, Marta Temido, tem com a classe em si”, e não tanto com a Ordem, recordando que os enfermeiros são a maior classe profissional do Serviço Nacional de Saúde.

A bastonária aludiu ainda a declarações da ministra feitas em dezembro do ano passado, quando, numa entrevista disse ter-se recusado a iniciar conversações com os enfermeiros em greve pois isso seria beneficiar “o criminoso, o infrator”.

Depois desta declaração, a ministra enviou um pedido de desculpas através da própria bastonária.

“Há sempre espaço para as pessoas poderem corrigir trajetos, caminhos e formas de estar”, afirmou à agência Lusa a representante dos enfermeiros.

Ana Rita Cavaco lamenta contudo a “falta de disponibilidade” que Marta Temido foi revelando para com os parceiros profissionais e sociais, mas mostra-se disponível para “dialogar e resolver problemas em conjunto”.

“Da nossa parte podem contar com disponibilidade para o diálogo mas também para continuar a fazer denúncias sempre que houver uma quebra na segurança da prestação de cuidados de enfermagem”, referiu.

A ministra Marta Temido tem tido, ao longo de um ano no executivo, uma relação crispada com a Ordem dos Enfermeiros, à qual determinou a realização de uma sindicância, por exemplo.

Recomendadas

AdC acusou hospitais privados de concertação nas negociações com a ADSE

A Autoridade da Concorrência acusou a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada e os grupos privados CUF, Trofa Saúde, Hospital Particular do Algarve, Lusíadas e Luz Saúde de concertação nas negociações com os subsistemas de saúde públicos ADSE e Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA).

União Europeia atinge 70% de adultos vacinados com a primeira dose contra a covid-19

O objetivo até ao final do verão é assegurar uma vacinação completa de pelo menos 70% da população total da União Europeia.
hepatites

VIH e hepatites virais: Criada primeira comunidade de prática portuguesa para deteção precoce

Vai surgir em Portugal a primeira comunidade de prática portuguesa sobre rastreio e deteção precoce do VIH e das hepatites virais.
Comentários