Organização do ‘Rock in Rio’ isenta de pagar taxas de 3 milhões de euros

O documento, assinado pelo vereador do Ambiente, José Sá Fernandes (independente, eleito pelo PS), destaca que o festival tem um papel relevante na “promoção e divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal”.

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou hoje que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de 3 milhões de euros, pela realização das edições de 2020 e de 2022 do festival.

A proposta da autarquia foi aprovada na sessão plenária com os votos contra do PCP, PEV, BE, PAN e três deputados independentes, a abstenção de cinco deputados independentes e do PS, e os votos favoráveis dos restantes partidos (PS, PSD, PPM, CDS-PP e MPT) e deputados independentes (2).

O documento, assinado pelo vereador do Ambiente, José Sá Fernandes (independente, eleito pelo PS), destaca que o festival tem um papel relevante na “promoção e divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal”, sendo que na edição de 2018 “foram publicadas mais de oito mil notícias nacionais e 70 em meios internacionais de relevo, como o The Telegraph e o Independent”.

“As nona e décima edições do Rock in Rio Lisboa têm, assim, entre os seus principais objetivos, a promoção e a divulgação do nome e da imagem da cidade de Lisboa e de Portugal, sempre alinhada com a agenda do município no ano de Lisboa Capital Verde Europeia 2020 e com a agenda de Lisboa Capital do Desporto 2021”, acrescenta a proposta.

Intervindo na sessão, o deputado do PCP Modesto Navarro criticou esta isenção de taxas, assim como o independente Rui Costa, que defendeu a necessidade de um regulamento municipal onde estejam previstas estas isenções.

Na sessão, os eleitos municipais aprovaram também, por maioria, a transferência de competências no domínio da saúde para a autarquia.

PCP, BE e PEV apresentaram propostas alternativas, que acabaram por ser chumbadas, que visavam a recusa das competências na área da saúde.

Ler mais
Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários