“Um banco é mais importante do que uma sapataria”

Quem o diz é Carlos Costa, governador do Banco de Portugal. Conheça as metas que o supervisor considera essenciais para as instituições bancárias.

Cristina Bernardo

Durante a sessão de abertura do Fórum Banca 2016, Carlos Costa referiu que os bancos não são “uma empresa qualquer”. De acordo com o governador do Banco de Portugal, “não é possível ter políticas económicas que não se reflitam no final do dia nos bancos”, porque qualquer ação acaba por ter reflexos em “dificuldades de rentabilidade e de recuperação de crédito”.

“Todos nós aprendemos uma coisa: um banco é mais importante do que uma sapataria”, exemplificando ainda com outro tipo de empresas. Caso algo corra mal, Carlos Costa garante que “tem custos sociais importantes”. “Não é uma empresa como outra qualquer. Quando um banco abre falência, não abre mercado, injeta veneno na economia”.

De acordo com o governador do Banco de Portugal, seja através de planos de recuperação ou de resolução, uma instituição financeira tem de ser acompanhada em “toda a sua fase de doença”.

Atualmente, os bancos enfrentam desafios como a melhoria da rendibilidade e a adaptação às novas exigências regulatórias e respetiva observância. Mudar a cultura e o comportamento das organizações e demonstrar segurança, integridade, fiabilidade e qualidade dos serviços fornecidos para recuperar a confiança dos stakeholders é outros dos desafios da banca, bem como o investimento em inovação.

“Não ignorem os modelos informáticos de ‘credit scoring'”, recomendou também Carlos Costa, durante o Fórum Banca 2016. Para o governador do Banco de Portugal, o preço não deve ser necessariamente o fator de decisão, mas sim “a eficácia e rapidez do financiamento”.

Carlos Costa fez ainda referência ao peso das obras públicas, citando aquilo que está presente no mais recente Relatório de Estabilidade Financeira.

Ler mais
Recomendadas

Daniel Proença de Carvalho: “É evidente que há uma promiscuidade entre certos setores da justiça com alguns media”

“Devia haver coimas para quem violasse o segredo de justiça, independentemente da forma como foi obtida a informação”, vincou o antigo presidente da Uría Menéndez-Proença de Carvalho, que defendeu que “a mediatização” da Justiça é uma causa para a degradação da confiança que os portugueses depositam nesta função do Estado.

PremiumNazaré da Costa Cabral: “Reduzir a dívida pública é reforçar a soberania nacional”

Presidente do Conselho de Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, defendeu consolidação orçamental no encerramento da conferência.

PremiumRicardo Mourinho Félix: “A austeridade acabou, mas também a política pró-cíclica”

Iniciativa organizada pelo Jornal Económico e pela EY sobre o Orçamento do Estado para 2020 abordou relação entre os impostos pagos pelos portugueses e os serviços públicos de que usufruem.
Comentários