Os Desafios da Integridade Corporativa durante uma Pandemia

No Relatório de Integridade EY 2021, concluímos que este é um momento-chave para a integridade e conduta ética das organizações e destacamos um conjunto ações-chave a adotar, identificámos que: – 71% dos inquiridos dizem não estar dispostos a agir de modo antiético para melhorar a sua situação profissional. No entanto, face à insegurança laboral resultante […]

No Relatório de Integridade EY 2021, concluímos que este é um momento-chave para a integridade e conduta ética das organizações e destacamos um conjunto ações-chave a adotar, identificámos que:

– 71% dos inquiridos dizem não estar dispostos a agir de modo antiético para melhorar a sua situação profissional. No entanto, face à insegurança laboral resultante da pandemia, o risco de comportamentos antiéticos agravou-se. Assim, as organizações devem reforçar os seus dispositivos de compliance e alinhá-los com os requisitos regulatórios previstos, por exemplo, na recém-aprovada Estratégia Nacional Anticorrupção e/ou standards internacionais como a ISO37001 ou ISO37301, que são certificáveis;

– 45% dos colaboradores juniores consideram que na sua empresa não é seguro relatar irregularidades sem receio de represálias. Para prevenir e detetar comportamentos irregulares, as organizações devem implementar mecanismos como o Canal de Denúncia, salvaguardando os denunciantes, em linha com a Diretiva Europeia de Whistleblowing;

– Apenas 23% dos inquiridos diz estar muito confiante na integridade de terceiros, como fornecedores e parceiros de negócios. As organizações devem implementar sistemas de due diligence para avaliar o risco e integridade de terceiros com quem se relacionam.

Fica assim exposto que os desafios à integridade e à conduta ética a nível corporativo foram acentuados pela crise pandémica que, ainda, atravessamos. O nosso relatório analisa a integridade corporativa no mercado português, através das respostas anónimas de 103 participantes, durante o mês de março, com diferentes posições hierárquicas nas suas organizações.

A nível global, 90% dos participantes considera que os efeitos da COVID-19 aumentaram os riscos de comportamentos antiéticos na sua organização. Apesar de ser pequena a percentagem de colaboradores que assume a disponibilidade para agir de forma antiética, para ganho pessoal, a pandemia agrava o risco de comportamentos irregulares. Observa-se, também, uma disparidade quanto às perceções de ética comportamental nos diferentes níveis hierárquicos dentro das organizações. A generalidade dos inquiridos, considera que deve agir com integridade na vida interna da sua organização e na relação com terceiros, adotando medidas de minimizem o risco e cumprindo as disposições legais e regulatórias.

Atualmente, organizações de todos os setores passam por desafios críticos para a sustentabilidade dos seus negócios e para a sua integridade. A COVID-19 veio acentuar esses desafios. Acresce que a curto prazo, em Portugal, as organizações terão de alinhar-se com novos requisitos legais, que decorrerão da recém-aprovada Estratégia Nacional de Anticorrupção e da transposição da Diretiva Europeia de Whistleblowing.

Este estudo destaca quatro ações-chave críticas, a que as organizações devem dar prioridade nas suas agendas de integridade: avaliação da conduta pessoal através de mecanismos de compliance; canais de whistleblowing; gestão e due diligence da integridade de terceiros e, finalmente, a integridade de dados.

Em suma, este estudo revela um quadro complexo e desafiante. Pressionadas para sobreviver, as organizações podem ceder à tentação de secundarizar as regras de conduta e ética. Identificados os riscos, a adoção/reforço de Programas de Compliance ABAC (Anti-Bribery Anti-Corruption) é essencial para preservar a integridade corporativa.
Em conclusão: fazer o que está certo, porque é a coisa certa a fazer.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Como construir (n)o futuro

A construção é um setor com uma cadeia de valor fragmentada o que torna a mudança mais desafiante. No entanto, com a necessidade de sustentabilidade ambiental, a digitalização, a industrialização, a escassez de mão de obra e a pressão sobre os preços, as empresas de construção têm de rever a sua estratégia para continuar a prosperar numa indústria que está a mudar rapidamente.

A Proposta de Lei do OE para 2022: reflexões sobre o impacto no setor da saúde

Na sequência da apresentação da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2022 (OE22), fazemos uma breve reflexão sobre os principais impactos das medidas propostas (ou a falta delas) ao nível do setor da saúde.

Regresso a um futuro de difícil projeção

No final de julho de 2021, de acordo com dados divulgados pelo Banco de Portugal, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias era de 36,8 mil milhões de euros.
Comentários