Os desafios da sustentabilidade da saúde com o envelhecimento

Estamos a viver mais tempo mas, apesar dos avanços na prevenção de doenças cardiovasculares ou no tratamento do cancro, não estamos necessariamente a viver melhor.

O World Economic Forum, no seu Global Risks Report 2017, alerta para o envelhecimento das populações como um dos principais motores da mudança global.

E não é exagero afirmar que os custos de tratamento de doenças associadas ao envelhecimento ameaçam a sustentabilidade dos sistemas de saúde assim como a estratégia seguida por muitas empresas. Paul Irving, Chairman do Milken Institute Center for the Future of Aging afirmou numa recente entrevista à EY, que cada empresa precisa focar-se no envelhecimento da população e aquelas que não tiverem uma estratégia de longo-prazo estão a perder uma oportunidade única para servirem novos clientes, melhorarem a eficácia dos seus colaboradores e melhorarem a sua performance.

Prevê-se que, em 2050, a população mundial com mais de 65 anos seja o triplo da atual resultando num aumento de doenças crónicas que tornam insustentável a abordagem tradicional de tratamento das doenças à medida que surgem. Atualmente, os sistemas de saúde nos EUA e Reino Unido despendem cinco vezes mais nos cuidados de saúde aos cidadãos com mais de 65 anos do que com a geração abaixo dos 25 anos.

É assim necessário promover a resiliência, quer dos indivíduos quer das empresas, face a esta disrupção, e os governos têm um papel fundamental na promoção de uma maior participação, em particular das novas gerações, em soluções de longo prazo.
A saúde tem de ser reenquadrada como um ativo de longo prazo em que vale a pena investir e a cada pessoa tem de ser dada a capacidade, através de novas ferramentas e informação, para priorizar a sua própria saúde num empenhamento proactivo em vez de ficar numa atitude passiva, à espera que uma doença surja.

Um dos pilares importantes para a mudança é começar por reconhecer que o envelhecimento saudável é um direito básico de todo o cidadão, em oposição a ser encarado como um bem de luxo de alguns poucos.

Recomendadas

Novos avanços da digitalização no setor Agroalimentar

A digitalização está a ganhar maturidade no setor agroalimentar, resultando no desenvolvimento de soluções inovadoras com impacto em toda a cadeia de valor. Com efeito, as empresas líderes estão já a passar da fase de sensorização para uma fase de desenvolvimento de algoritmos avançados baseados em “inteligência artificial” para vários fins: aumentar a produtividade agrícola, […]

Internacionalização das empresas portuguesas

Os Estados Unidos da América (EUA) são, atualmente, um dos parceiros comerciais de referência de Portugal, tendo as relações económicas entre estes dois países vindo a atingir máximos históricos nos últimos anos. Com efeito, perante alguns anos de contexto macroeconómico interno desfavorável, as empresas portuguesas tornaram-se cada vez menos avessas à internacionalização, tendo apostado na […]

Blockchain, o novo “carimbo” do Estado?

Será certamente uma opinião consensual que a transformação digital não só já está em curso mas, mais do que isso, já está enraizada na vida de muitos, sobretudo dos que são nativos em tecnologia, gerações que desde de sempre usam formas de interagir digitais, a geração da Internet, da TV por cabo, dos smartphones, das […]
Comentários