Os desafios fiscais da digitalização

Também no domínio da fiscalidade não existem modelos perpétuos, exigindo-se a sua permanente adaptação à evolução da economia e dos negócios.

A Web Summit interroga-nos sobre os novos desafios gerados pela digitalização e pela inovação da economia, justificando-se nesta série de artigos sobre o admirável mundo novo da tributação internacional abordar um tópico que está na agenda da maioria dos governos e das empresas – a digitalização e a tributação internacional.

Nos últimos anos, temos assistido a uma revolução digital que está a alterar o paradigma da economia tradicional e a forma como as empresas fazem e entendem os negócios. Este fenómeno de transformação não se foca, hoje, exclusivamente nas “empresas de tecnologia”, mas atinge a economia como um todo.

O problema gerado pela relação entre a digitalização da economia e a fiscalidade é que os conceitos tributários tradicionais não estão ainda adaptados à nova forma de fazer negócios, em que as empresas assumem uma escala global por vezes sem qualquer presença física local, em que os seus ativos são compostos primordialmente por intangíveis, e em que a participação do utilizador no processo produtivo é essencial para a chamada “criação de valor”.

Com os exemplos dos gigantes tecnológicos como a Uber ou o Airbnb, podemos entender que este tipo de empresas estão presentes em todo o mundo sem muita (ou nenhuma) presença física. Os seus principais ativos são software ou apps desenvolvidas, a sua marca e os seus trabalhadores (são notoriamente asset light companies) e a sua “força de trabalho” inclui os próprios clientes e utilizadores, que, nesta nova economia partilhada, têm um papel fundamental no modelo de negócio das empresas.

As características inerentes à economia digital levam-nos ao principal problema fiscal gerado pela transformação digital das empresas, i.e. onde ocorre a criação de valor e em que momento deve ser tributada.

Este problema assume maior complexidade quando países com diferentes estratégias económicas e tributárias determinam unilateralmente os critérios para definir onde este valor económico se deve considerar criado, e a forma como estes modelos de negócios devem ser tributados. É o que acontece já com a Índia, que adotou um “imposto de equalização”, ou com a Itália, ao aprovar um “imposto sobre transações digitais”. E também se anuncia no Reino Unido, com um novo Imposto sobre Serviços Digitais, a entrar em vigor até abril de 2020.

Nesta fase não existe consenso sobre a implementação a nível global deste tipo de tributação, o que constitui um fator preocupante para todas as partes interessadas.

Do lado da União Europeia, a estratégia foi propor, em 2018, uma dupla abordagem com (i) uma solução de longo prazo e (ii) uma solução de curto prazo:

  • A longo prazo, a ideia seria a adoção de uma Diretiva que estabelecesse regras para uma presença digital significativa, tendo por base um conceito de “Estabelecimento Estável Digital”, indiciado por diversos critérios tais como as receitas digitais, o número de utilizadores ou os contratos de serviços digitais;
  • No curto prazo, é considerada a criação de um imposto sobre os serviços digitais que incidiria apenas sobre as grandes empresas digitais, sobre o seu volume de negócios (e não sobre o rendimento), a uma taxa reduzida de 3%.

Não obstante, recentemente, o conselho ECOFIN demonstrou que nem mesmo ao nível da UE se regista consenso entre os países de maior e menor dimensão, o que coloca em risco as referidas propostas. E a mesma falta de consenso parece registar-se no quadro da OCDE, tanto no que diz respeito à forma de lidar com o tema, como quanto à própria necessidade de medidas fiscais adicionais para atacar os referidos temas. Espera-se um relatório final desta organização sobre soluções globais para lidar com o tema da digitalização da economia, que está programado apenas para 2020 (e que é muito aguardado pela indústria de tecnologia dos EUA).

Em suma, também no domínio da fiscalidade não existem modelos perpétuos, exigindo-se a sua permanente adaptação à evolução da economia e dos negócios. A revolução digital é um potente agente de mudança da forma como a fiscalidade, direta e indireta, deteta e determina a capacidade contributiva das pessoas e das empresas e previne as práticas evasivas. O impacto destas transformações na fiscalidade como a conhecemos hoje será extenso e relevante, impondo também às empresas e aos investidores um esforço de antecipação e de preparação para a nova realidade.

 

Ao longo de dez artigos, o departamento fiscal da Garrigues aborda os principais desafios relacionados com o novo contexto da fiscalidade internacional. Trata-se de uma oportunidade para os leitores compreenderem melhor o contexto de uma fiscalidade cada vez mais transparente, mas também mais complexa e com custos de cumprimento elevados. Próximo Artigo – Preços de Transferência e Criação de Valor.

 

Recomendadas

“Dados pessoais podem ser um produto tóxico para quem incumpra com o RGPD”

Até 2020 vai entrar em vigor o Regulamento e-Privacy e o Código das Comunicações Eletrónicas, o que irá obrigar as empresas a novos ajustes e alterações.

Sérvulo estabelece parceria com sociedade de advogados em Cabo Verde

A MJN Advogados, de Maria João de Novais, é o novo escritório parceiro da Sérvulo & Associados.

Conselho Regional vai deixar de ser “suporte do bastonário”

A advogada Ana Sofia de Sá Pereira, que tem tudo preparado para avançar com uma candidatura ao Conselho Regional do Porto, apoia uma eventual candidatura de António Jaime Martins contra Guilherme Figueiredo.
Comentários