Os dias da Europa

Era impensável há uns anos a extrema-direita ter os votos de mais de um terço dos eleitores franceses, como ocorreu nas eleições do passado domingo.

No dia 9 de maio comemora-se o “dia da Europa”. Neste dia, em 1950, Robert Schuman, ministro dos Negócios Estrangeiros francês, proferiu uma declaração de princípios que viria a impulsionar a posterior criação da Comunidade Económica Europeia (CEE). Nesta declaração, Schuman dizia: “A Europa não se fará de uma só vez, nem de acordo com um plano único. Far-se-á através de realizações concretas que criarão, antes de mais, uma solidariedade de facto.

Mais de meio século depois, é séria e profunda a crise que a atual União Europeia (UE) está a enfrentar. Crise em termos de valores, de solidariedade e, sobretudo, de ambição para o futuro. A tal situação não será estranha a incapacidade das estruturas europeias (nos seus vários níveis) darem resposta a alguns problemas, como a desigualdade, a pobreza, o desemprego, a falta de ética de algumas “elites” políticas e empresariais – basta lembrar, por exemplo, os mais recentes escândalos financeiros ou a gestão fraudulenta de algumas empresas, como no caso das emissões poluentes na indústria automóvel.

Estes factos são geradores de desconfiança crescente entre os cidadãos e as instituições europeias (e mesmo entre países), incluindo com os seus representantes – os políticos eleitos – que corporizam um status quo em que cada vez menos pessoas se reveem. As ondas de populismo e de intolerância que se verificam em muitos países europeus são disso um reflexo. Era impensável há uns anos a extrema-direita ter os votos de mais de um terço dos eleitores franceses, como ocorreu nas eleições do passado domingo.

Felizmente, em Portugal o populismo de (extrema) direita não tem tido grande aderência. Atualmente temos estabilidade política, resultante de uma fórmula governativa elogiada além-fronteiras, sendo acompanhada pelos bons resultados económicos e sociais de 2016 e que estão a ser reforçados em 2017. Para tal, tem sido importante um Governo e um Presidente da República alinhados no essencial (crescimento baseado na inovação, rigor das contas públicas, maior justiça social e estabilidade política).

Em 2016 ficou demonstrado que não há fatalismos na política económica. Foi possível restituir rendimentos às famílias, aumentar o salário mínimo, diminuir a carga fiscal global, criar incentivos ao empreendedorismo e à inovação; ao mesmo tempo, o investimento das empresas aumentou (sinal de confiança na economia), as exportações cresceram, atingindo um novo recorde (maior competitividade externa), a taxa de desemprego diminuiu (agora abaixo dos 10%), havendo hoje a trabalhar mais 150 mil pessoas do que no início de 2016. E, contrariando muitos “analistas”, 2016 foi o ano do menor défice em democracia.

Em dia da Europa, uma palavra sobre política de educação, dado o seu impacto na formação dos jovens e líderes do futuro. Neste aspeto, de elogiar a ousadia do Ministério da Educação (em Portugal) em dar maior autonomia às escolas para o desenvolvimento de metodologias inovadoras, que estimulem a criatividade, o pensamento crítico, a colaboração e as competências sociais. Os alunos devem ser intervenientes ativos no processo de aprendizagem e não meros recetores de “matéria”. A “escola autocarro” (alunos sentados em filas) está desajustada das necessidades das sociedades atuais. Um ensino interativo e participativo, em que se valorize o aluno, será essencial para que se alcancem melhores aprendizagens e se capacitem os jovens com competências úteis para o seu trajeto escolar, profissional e pessoal. O exemplo da Escola da Ponte mostra que é possível ter um ensino público inclusivo e inovador.

Recomendadas

Aprender a comprar online

A falta de literacia online é ainda um problema a resolver, que prejudica quem compra em sites duvidosos e assusta quem nunca comprou.

Sporting vs. Braga: o desaparecimento ou a emergência de (mais) um grande?

Discute-se hoje o encurtamento das distâncias entre SC Braga e Sporting CP. Será esta uma moda de curta duração ou uma tendência emergente? Estaremos perante um quarto grande ou deveremos deixar de colocar Sporting no lote dos três grandes, dadas as distâncias cada vez mais evidentes para SL Benfica e FC Porto?

Por uma nova ética republicana

A ética republicana deve ir muito além do que está na lei, sob pena de um dia o capitalismo e a própria democracia liberal soçobrarem sob o peso das muitas indignações e da falta de empatia e coesão social.
Comentários