“Os governos não se medem em função do número de membros”, diz António Costa

O primeiro-ministro indigitado sustentou que a nova orgânica das secretarias de Estado é “ajustada ao programa do Governo”. O XXII Governo Constitucional vai contar com 70 elementos, somando ministros e secretários de Estado.

antonio_costa_legislativas_altis_2
Mário Cruz/Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta segunda-feira que a nova orgânica das secretarias de Estado é “ajustada ao programa do Governo”. À saída do Palácio de Belém, onde foi apresentar ao presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, António Costa sustentou que “os Governos não se medem em função do número de membros”, mas sim do ajuste às “prioridades do país”.

“Temos de ajustar as orgânicas em função da conjuntura”, afirmou António Costa, à saída do Palácio de Belém. “[A lista entregue] é um conjunto de secretários de Estado que ajudam a clarificar as competências dos diferentes ministérios e que nos permitirá iniciar funções assim que estejam criadas condições, por parte do Tribunal Constitucional, para que a Assembleia da República possa iniciar funções e, no dia seguinte, o Governo possa tomar posse”.

Segundo António Costa, a tomada de posse pode vir a acontecer ainda esta semana, entre sexta-feira e sábado. O primeiro-ministro nota, no entanto, que tal estará dependente da ocorrência ou não de uma reunião presencial do Conselho Europeu, em virtude das negociações da saída do Reino Unido da União Europeia. “São hipóteses que não vale a pena estarmos a antecipar”, salientou.

“Os Governos não se medem em função do número de membros, mas devem ter uma orgânica ajustada àquilo que é o programa do Governo e do que são as prioridades do país. É, seguramente uma das prioridades do Governo reforçar a coesão territorial e a valorização do Interior”, disse, notando que, depois de há quatro anos ter sido criada a primeira secretaria de Estado da valorização do Interior, este ano, o Governo elevou a Ministério.

A lista dos novos secretários de Estado foi aprovada esta segunda-feira pelo presidente da República, após reunião com o primeiro-ministro, no Palácio de Belém. O novo Governo liderado por António Costa conta com 50 secretários de Estado, 22 dos quais são estreias. Ao todo (incluindo o primeiro-ministro), o XXII Governo Constitucional vai contar com 70 elementos, somando ministros e secretários de Estado.

Relacionadas

Jorge Seguro Sanches regressa ao Governo para integrar Ministério da Defesa

Jorge Seguro Sanches volta a integrar o Executivo de António Costa, um ano depois de ter sido afastado. Foi um dos principais rostos responsáveis por cortes nos rendimentos garantidos no setor da energia, no anterior Governo.

A senhora que se segue no Turismo é Rita Marques, atual CEO da Portugal Ventures

Rita Marques lidera a Portugal Ventures, entidade que resultou da fusão de três Sociedades de Capital de Risco em Portugal – AICEP Capital, InovCapital e Turismo Capital.

João Galamba promovido por Matos Fernandes no ministério do Ambiente

O socialista João Galamba foi promovido a secretário de Estado Adjunto do Ministério do Ambiente e vai manter-se como secretário de Estado da Energia, apesar da polémica levantada na concessão de exploração de lítio de Montalegre.
Recomendadas

PAN evoca VOX para pedir respostas para a “contentorização” na Costa Vicentina

André Silva classificou a Costa Vicentina como “Almeiria portuguesa” e lembrou que o descontentamento e insegurança sentido na provincia espanhola de Almeiria levou ao crescimento do partido de extrema-direita VOX.

Cecília Meireles ouve António Costa dizer que englobamento de rendimentos prediais será “no devido tempo”

Pergunta da deputada centrista quanto ao número de portugueses que pagarão mais impostos em sede de IRS levou António Costa a dizer que se diverte com “especulações” e com relatórios de consultoras que “fazem jeitinhos à direita”.

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.
Comentários