Os lesados do Orçamento do Estado

No OE não existe uma única medida de incentivo ao investimento e à criação de postos de trabalho, quando a expectativa seria a de obter, da União Europeia, apoios extraordinários para este importante dossier.

O Orçamento do Estado (OE), para o próximo ano, encerra um vasto número de opções políticas que, infelizmente, não contrariam, de forma suficiente, a crise económica que o país atravessa e muitas das medidas não passam de “paliativos” que em nada contribuem para apoiar as empresas e os cidadãos.

O investimento do país em Ciência e Ensino  Superior, via dotação do OE, não obstante o aumento de 435 milhões de euros, continua a ser insuficiente face às necessidades de qualificação dos jovens e desenvolvimento tecnológico do país. Este investimento é estratégico, para o país poder exportar bens com maior incorporação de inovação e tecnologia, logo de maior valor acrescentado.

Portugal tem um gravíssimo problema de gestão e estratégia nas empresas de transportes públicos, pelo que a saga continuará e, em 2021, nada se resolverá, dado não haver força ou interesse político do governo em resolver o problema. Assim, na TAP, injectam-se até 1700 milhões de euros,  de forma mal escrutinada, porque não se percebe que problemas visam efectivamente resolver.

No tocante à CP, depois do rocambolesco episódio do engano, que consistiu na atribuição de 470 milhões de euros para o FROE (Fundo de Resolução do OE), o mesmo veio a ser corrigido e no final transformou-se num empréstimo à CP, no valor já referido. A CP continua a prestar um péssimo serviço público, particularmente fora da Linha do Norte, com material obsoleto, desconfortável e ligações a velocidades pouco razoáveis, no contexto dos padrões europeus da mobilidade.

Reconhece-se que um plano de reorganização e modernização ferroviária terá que ser projectado com um horizonte de pelo menos uma década, mas ainda não será em 2021 que  haverá o início de algo significativo. Sabemos que é muito  elevado o esforço financeiro dos portugueses com estas empresas, mas é manifestamente pouco o que recebem em troca.

O interior do país, mais uma vez,  é “castigado” pelas medidas do Governo e em particular no próximo OE. Uma das medidas propostas é a criação de um plano de deslocalização dos arquivos pertencentes às entidades da Administração Central até Junho de 2021. Ora, o interior não precisa de arquivos cuja falta de espaço e elevado custo do metro quadrado, em Lisboa, obriga a “empurrar” para o  interior.

O que o interior precisa é da deslocalização ponderada e assertiva de alguns serviços públicos, de investimento privado e de criação de postos de trabalho com discriminação fiscal adequada, para os incentivar e, assim, contrariar a desertificação. Será muito fácil “despejar” os arquivos da Administração Central no interior, mas quantos postos de trabalho vão efectivamente gerar? Aguardemos, pois, a posição dos autarcas do interior e dos cidadãos sobre a matéria.

No caso dos escalões do IRS, a redução da retenção fará certamente aumentar o valor líquido dos salários em 2021, o que implicará uma devolução menor no ano subsequente. Não passa, portanto, de uma ilusão, o eventual aumento de rendimento mensal disponível.

O caso do IVAucher, que permitirá devolução parcial aos contribuintes das despesas efectuadas na hotelaria, restauração e cultura, corre o risco de ser mal sucedido. Se os cidadãos estiverem confinados, sem se poderem deslocar nem usufruir de serviços ou até se perderem rendimentos, como vão passar férias e usufruir de serviços culturais? Esta ideia assenta num só pressuposto, que haja efectivamente consumo e disponibilidade para o mesmo. E se não houver?

O país tem na restauração, turismo e alojamento local,  um sector muito dinâmico e significativo, que muito cresceu nos últimos anos. Estes sectores de actividade são críticos e têm sido dos mais flagelados no contexto da Covid-19. O Governo “esqueceu-se” que estes somam quase meio milhão de trabalhadores que ficaram esquecidos ou ao abrigo de medidas pouco exequíveis. Teria sido mais fácil prolongar o lay-off e criar, atempadamente, verdadeiros estímulos à manutenção destas empresas, salvaguardando os postos de trabalho.

Infelizmente, no OE, não existe uma única medida de incentivo ao investimento e à criação de postos de trabalho. Quando a expectativa seria a de obter, da União Europeia, apoios extraordinários para este importante dossier, o espanto pela ausência de medidas, é total. Inimaginável, portanto.

O OE para 2021 é insuficiente, inadequado e em contraciclo europeu, dado não conter medidas de emergência de relançamento da economia, ao contrário de muitos países europeus que criaram mecanismos de apoio à manutenção dos postos de trabalho e ao investimento. Portugal fica muito mal no ranking dos países europeus que mais despenderam a combater os efeitos da crise económica provocada pela pandemia.

Os lesados do Orçamento do Estado são um conjunto de cidadãos e sectores de actividade económica, infelizmente cada vez maior, que ficam para trás, excluídos da lei, no sentido desta não os proteger ou apoiar.

Em tempos económica e socialmente conturbados, este OE não é adequado à situação que vivemos. Exigia-se um OE de “guerra”, adaptado às circunstâncias excepcionais do momento e que acima de tudo trouxesse esperança. Será que, com o já previsível orçamento rectificativo, ela chegará ainda a tempo?

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

O comportamento da dívida não-financeira dos Hospitais EPE

Os mínimos atingidos no nível de stock da dívida não resultaram de uma redução do seu fluxo de acumulação ao longo dos anos, mas sim de regularizações anuais que não resolvem de forma sustentável o problema estrutural de endividamento hospitalar.

Mentes confinadas

A União Europeia tem de começar a edificar um caminho próprio, um caminho na equidistância entre as duas grandes potências: China e EUA. E o acordo agora celebrado com a China pode constituir um passo novo.

O capitalismo precisa de roupa?

Mostrar sensibilidade social, sem adotar ações corretivas concretas, é “bonito” mas não resolve um problema humano grave, avolumado pela pandemia: a indignidade da vida de quem tem que se sustentar com salários minimalistas.
Comentários