João Duque: “Os preços das casas podem vir a cair por aí abaixo”

Economista fala em “paragem absoluta” no mercado. Agentes, inquilinos, proprietários e consultores pintam ao JE um cenário dramático.

“Uma paragem absoluta. Passámos para uma coisa que era absolutamente inesperada. Neste momento não devem andar-se a vender casas”. É desta forma que João Duque olha para o impacto que o surto da Covid-19 já tem no setor imobiliário em Portugal. O economista, tal como os principais players no mercado, diz que é prematuro falar em números sobre os preços das casas, mas diz ser possível que “venham por aí abaixo”.

Alarmado com esta situação está também Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). “Na conjuntura atual quem é que se atreve a entrar dentro de casa alguém?” Luís Lima pede ao Governo para que não se esqueça de um setor do qual “dependem 40 mil pessoas”. Em relação aos preços, responde de forma pragmática: “Se não há mercado… está tudo dito”.

Com o estado de emergência decretado na semana passada muitas foram as áreas da sociedade que pararam a sua atividade ou aderiram ao teletrabalho. No setor da construção, foi uma paragem parcial. “Tudo o que é trabalho intelectual (projetistas, diretores de obra) está em teletrabalho, mas quem realmente põe a ‘mão na massa’ continua no terreno”, afirma Nuno Garcia, diretor-geral da GesConsult, empresa de gestão e fiscalização de obras. “As obras continuam a rolar e com alguma normalidade dentro do possível”.

Assume, contudo, que se começa a notar “alguma dificuldade no fornecimento de materiais e mão-de-obra contagiada”, já que “a construção por si só é um meio onde o risco de contágio é brutal, as regras básicas de higiene são difíceis de implementar numa obra, como por exemplo lavar as mãos constantemente e o cumprimentar a outra pessoa continua a ver-se muito”, refere.

Os especialistas assumem que a quebra no valor das rendas também se vai fazer sentir. Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), mostra-se preocupado com o valor das rendas especulativas como “aquelas que existem dentro de Lisboa ou no Porto, que é pagar 20 e 30 eurosm2 por uma renda, ou seja, uma casa com 50m2 se pagar 20eurosm2, paga mil euros de renda por um T1 e isso é completamente impossível”, sublinha.

Esta semana, a AIL apresentou uma proposta ao Governo para baixar a renda na mesma percentagem em que baixe o rendimento.

Luís Menezes Leitão, presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), refere que a queda das rendas “é um fator claríssimo, em virtude da falta de rendimento” deixando um reparo ao Governo. “Andámos nos últimos tempos a queixar-nos do turismo e a fazer restrições ao alojamento local e agora, de repente vamos ter muitas saudades do funcionamento do imobiliário nos termos em que estava”, alerta.

O alojamento local será por isso um dos segmentos do imobiliário que poderá sofrer mais com esta crise, e ao mesmo tempo readaptar-se. “No início do ano já estávamos a registar movimentos de pequenos proprietários que tinham duas ou três casas em alojamento local e que estavam a transitar para o arrendamento tradicional. Estamos a ver agora com a queda abrupta no turismo, que muitos deles têm prejuízos e isso cria uma necessidade de venda ou então optarem por ter a casa em regime de arrendamento e ganhar menos”, refere Ricardo Sousa, CEO da Century21 Portugal. Acredita que neste ponto “vamos ver também um aumento da oferta, quem tinha três casas poderá vender duas”.

Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, diz ser “natural que os preços das casas abrandem ou desçam, porque o nível de confiança das pessoas desceu drasticamente numa semana”. “Tudo aquilo que tínhamos por garantido de repente foi posto em causa em meia dúzia de dias”, diz, adiantando que “quem tiver liquidez para investir provavelmente vai comprar melhor, e comprar para arrendar neste momento é uma boa opção”.

Por serem “áreas mais expostas, o alojamento local, os hotéis e o comércio (centros comerciais e de rua) serão as mais afetadas no imediato” diz Pedro Lancastre, CEO da JLL Portugal, que traça um cenário geral dos segmentos. “O residencial é das áreas mais defensivas quando falamos em transações imobiliárias, porque quando há um clima de incerteza as pessoas demoram mais tempo a tomar decisões”. O CEO considera que o teletrabalho para a área de escritórios “é um teste gigantesco a todos nós e que na esmagadora maioria dos casos está a ser superado”.

Sentimento partilhado por Eric van Leuven, CEO da Cushman & Wakefield. “Não acredito de todo no fim dos escritórios, porque também vamos dar-nos conta de que gostamos de estar rodeados das pessoas e precisamos delas para trocar ideias, mas acredito que o teletrabalho terá uma expressão ainda maior”, realça.

João Duque diz que a grande questão é saber quanto tempo o mercado imobiliário vai demorar a ser reanimado. “A minha expetativa é que no primeiro trimestre de 2021 consiga mais ou menos recuperar”, conclui.

Notícia publicada na edição semanal do Jornal Económico de 27 de março

Ler mais

Recomendadas

Retoma da economia traz novos desafios ao país

Endividamento e tesouraria das empresas portuguesas encontram-se entre as principais fragilidades apontadas pelos analistas. Apesar da quebra provocada pela pandemia de Covid-19, o setor do turismo pode surpreender.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.

“Salvar as empresas e preservar o emprego”. Conheça as prioridades de António Costa Silva para recuperar a economia

O gestor, atualmente presidente da Partex, a quem o Primeiro Ministro pediu o plano de recuperação diz que tem de se evitar que a economia “entre em estado de coma”. António Costa Silva diz que o Estado vai ter de ser interventivo e que o novo modelo económico tem de estar assente no investimento nas infraestruturas (físicas e digitiais) e na reconversão industrial.
Comentários