Os PWIT Awards foram apenas o princípio, ainda há muito trabalho pela frente

Números de Silicon Valley indicam que apenas 17% das empresas têm uma mulher fundadora e que em 2017 apenas 2% do investimento de Capital de Risco foi entregue a empresas geridas por mulheres.

A festejar dois anos de existência, a comunidade Portuguese Women in Tech (PWIT) continua ativamente a trabalhar para apresentar as mulheres que estão a contribuir para o desenvolvimento da tech scene nacional.

Desde eventos que reúnem mulheres de norte a sul do país, até iniciativas que pretendem posicionar as mulheres no mercado de trabalho e dar-lhes uma maior visibilidade, como a The Portuguese Female Speakers List. E culminando nos Portuguese Women in Tech Awards, entregues no dia 27 de outubro, um evento pensado para celebrar as mulheres que todos os dias contribuem ativamente para a construção da Portuguese startup scene.

Esse mesmo evento superou as expectativas desde o primeiro momento, com um envolvimento enorme por parte da comunidade, realidade que resultou em mais de 800 nomeações e em mais de 6500 votos, levando depois cerca de 200 pessoas à cerimónia final em que se entregaram os prémios a nove mulheres, em nove diferentes categorias.

Contudo, há ainda muito trabalho pela frente para atrair mais mulheres para a tecnologia. E, por consequência, para lhes dar a igualdade merecida.

Se perguntarem a qualquer pessoa qual o perfil de um developer, 90% das pessoas vai dizer que é um homem, com um hoodie, a beber muito café e bebidas energéticas em longas noitadas de programação. O que é preciso é começar a criar novas possibilidades, apresentar novos perfis para que seja normal pensar que mulheres também podem fazer esse trabalho.

De trabalhos em tecnologia a posições de liderança, passo a passo, o estereótipo tem que mudar. Alguns números de Silicon Valley indicam que apenas 17% das empresas têm uma mulher fundadora e que em 2017 apenas 2% do investimento de Capital de Risco foi entregue a empresas geridas por mulheres.

Deixo um último número como alerta para a mudança. A oportunidade de igualdade, colocando as mulheres ao mesmo nível dos homens e possibilitando às mulheres o acesso a cargos de liderança, pode aumentar o crescimento global em 12 mil milhões de dólares. Sublinho: 12 mil milhões.

Recomendadas

Deputados da Comissão para o Reforço da Transparência fazem balanço dos três anos de trabalhos

“Francamente positivo”, diz Pedro Delgado Alves (PS). “Deram-se importantes passos”, reconhece Álvaro Batista (PSD). “A transparência ficou pelo caminho”, critica Vânia Dias da Silva (CDS-PP). “Teremos um conjunto de medidas demagógicas e de mera cedência a populismos”, lamenta António Filipe (PCP).

Greve Feminista: Contra a boçalidade, pela igualdade

A luta não está ganha, o mundo pára sem nós e as ruas, essas são de facto nossas. Amanhã, no próximo ano e nos restantes, até que a igualdade seja essa promessa de ontem nos dias de hoje.

O chumbo da moção de censura sob o prisma de um balanço da legislatura e arranque da campanha eleitoral

A liderança simbólica da oposição, o processo de reconfiguração da direita e do centro-direita, o equilibrismo dos bloquistas e dos comunistas, a carga “positiva” e a carga “negativa” da governação, a miragem da maioria absoluta, o problema da gestão de expectativas, a viragem de ciclo económico e a necessidade de criar uma nova narrativa.
Comentários