Os PWIT Awards foram apenas o princípio, ainda há muito trabalho pela frente

Números de Silicon Valley indicam que apenas 17% das empresas têm uma mulher fundadora e que em 2017 apenas 2% do investimento de Capital de Risco foi entregue a empresas geridas por mulheres.

A festejar dois anos de existência, a comunidade Portuguese Women in Tech (PWIT) continua ativamente a trabalhar para apresentar as mulheres que estão a contribuir para o desenvolvimento da tech scene nacional.

Desde eventos que reúnem mulheres de norte a sul do país, até iniciativas que pretendem posicionar as mulheres no mercado de trabalho e dar-lhes uma maior visibilidade, como a The Portuguese Female Speakers List. E culminando nos Portuguese Women in Tech Awards, entregues no dia 27 de outubro, um evento pensado para celebrar as mulheres que todos os dias contribuem ativamente para a construção da Portuguese startup scene.

Esse mesmo evento superou as expectativas desde o primeiro momento, com um envolvimento enorme por parte da comunidade, realidade que resultou em mais de 800 nomeações e em mais de 6500 votos, levando depois cerca de 200 pessoas à cerimónia final em que se entregaram os prémios a nove mulheres, em nove diferentes categorias.

Contudo, há ainda muito trabalho pela frente para atrair mais mulheres para a tecnologia. E, por consequência, para lhes dar a igualdade merecida.

Se perguntarem a qualquer pessoa qual o perfil de um developer, 90% das pessoas vai dizer que é um homem, com um hoodie, a beber muito café e bebidas energéticas em longas noitadas de programação. O que é preciso é começar a criar novas possibilidades, apresentar novos perfis para que seja normal pensar que mulheres também podem fazer esse trabalho.

De trabalhos em tecnologia a posições de liderança, passo a passo, o estereótipo tem que mudar. Alguns números de Silicon Valley indicam que apenas 17% das empresas têm uma mulher fundadora e que em 2017 apenas 2% do investimento de Capital de Risco foi entregue a empresas geridas por mulheres.

Deixo um último número como alerta para a mudança. A oportunidade de igualdade, colocando as mulheres ao mesmo nível dos homens e possibilitando às mulheres o acesso a cargos de liderança, pode aumentar o crescimento global em 12 mil milhões de dólares. Sublinho: 12 mil milhões.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Quem são os deputados portugueses mais produtivos e assíduos?

José Manuel Fernandes (PSD), Miguel Viegas (CDU), António Marinho e Pinto (PDR) e João Ferreira (CDU) destacam-se no topo da tabela do MEP Ranking. Nas últimas posições estão Francisco Assis (PS), Nuno Melo (CDS-PP), Fernando Ruas (PSD) e Manuel dos Santos (PS).

Eu vou ser como a toupeira

O título da canção de José Afonso podia bem ter sido o juramento de tomada de posse de Carlos Costa. E é a razão pela qual a sua continuação no Banco de Portugal é insustentável.

Patrícia Martins: “Temos uma sociedade estruturada na exploração do trabalho das mulheres, gratuito e invisibilizado”

Ativista da Rede 8 de Março que está a organizar a Greve Feminista em Portugal sublinha que “há problemas sérios de desigualdade, exploração e opressão” das mulheres, com epicentro na “violência e justiça machista”. E antecipa: “Se nós pararmos, o mundo pára também”.
Comentários