PremiumOs quatro desafios do novo presidente executivo do Grupo José de Mello

O novo CEO, Salvador de Mello, tem quatro desafios pela frente: consolidar a atividade, apostar em novos negócios, reduzir a dívida e assegurar a sucessão.

Salvador de Mello, o novo homem forte do Grupo José de Mello, anunciado esta semana como sucessor ao cargo de CEO, substituindo o seu irmão mais velho Vasco de Mello, tem quatro grandes desafios estratégicos pela frente: reduzir a dívida consolidada, promover o reforço da atividade nas áreas em que opera, promover a entrada em novas áreas de negócios e assegurar uma passagem tranquila do testemunho para a quinta geração.

Diversas fontes conhecedoras da realidade do Grupo José de Mello contactadas pelo Jornal Económico, salientaram que a agenda de Salvador de Mello à frente deste império empresarial passa pela assunção de um novo ciclo, com uma sólida situação financeira; por prosseguir o crescimento e desenvolvimento do grupo e manter o compromisso para contribuir para o fortalecimento da economia de Portugal; por valorizar as pessoas que trabalham no e com o grupo; por atrair talentos a nível internacional com capacidade de empreendedorismo; por manter um posicionamento de excelência e promover critérios de sustentabilidade; por desenvolver a capacidade de desenvolver tecnologias que proporcionem o desenvolvimento de novas oportunidades de negócio; e por preservar um legado histórico com mais de 120 anos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários