Os quatro pontos fundamentais para a transformação digital

Enquanto indivíduos somos muito mais abertos às mudanças do que enquanto grupos corporativos.

Segundo a consultora McKinsey, a maioria das marcas e empresas ainda estão num ponto muito inicial na aplicação da tecnologia nos seus processos e na relação com os consumidores.

É comum observarmos um diretor de uma grande empresa a usar o WhatsApp, mas a própria empresa não possuir uma política para a utilização da rede ou até proibi-la. O que pude observar nestes 25 anos de carreira é que pessoas conseguem rapidamente adotar novas tecnologias que facilitam o seu quotidiano, enquanto as empresas demoram décadas a fazê-lo ou simplesmente desaparecem porque não conseguiram fazer a transição. Ou seja, enquanto indivíduos somos muito mais abertos às mudanças do que enquanto grupos corporativos.

As mudanças corporativas ou governamentais não são fáceis nem rápidas. É preciso uma estratégia de longo prazo para ultrapassar barreiras e conquistar adeptos entre os principais stakeholders de uma empresa. Por isso mesmo, enumero quatro pontos que considero fundamentais para uma estratégia de transformação digital.

A transformação digital é acreditar em inovação

Primeiro: acredite! Não faça algo porque o seu diretor pediu. Se não acha que as coisas vão mudar, vai ser apenas mais um infeliz num cubículo no mundo corporate. A transformação é inovar, e inovar é mudar processos, maneiras de pensar e de agir. Portanto, seja corajoso e abrace o que puder e o que não puder, teste, interaja, questione e não aceite verdades absolutas. Ou, como diriam vários gurus, líderes espirituais ou o Yoda, o segredo fundamental do sucesso de uma transformação está dentro de nós.

Contratar pessoas que percebam os riscos e ajudem na mudança

Numa empresa com milhares de pessoas, ninguém consegue mudar sozinho. Se é responsável por uma equipa que faz questão de trabalhar como no tempo da série “Chicas del Cable”, atenção! Mude de equipa ou mude a sua equipa. As pessoas com um perfil que abraçam a mudança são raras, já que a maioria segue a manada. A tarefa principal é encontrar o máximo de pessoas corajosas que ajudem a implementar as ideias de um terramoto digital.

Fazer benchmarking

Acompanhe o que as empresas mais digitais que conhece estão a fazer e subscreva newsletters como as do CBInsights, MIT Technology Review ou The Algorithm. Estes conteúdos são muito mais atuais e na fronteira do digital do que qualquer meio de imprensa. Ah, se puder, não assista ao noticiário noturno da televisão. Leia um livro.

Ser “Agile”

“Agile” é um processo para simplificar e entregar valor mais rápido, como é o caso da adoção do home office para economizar o tempo perdido no trânsito (e também as small talks do escritório), das reuniões diárias de 30 minutos para rever tarefas e convergir em objetivos concretos, ou do desenvolvimento incremental (não quero construir a pirâmide de Gizé, mas uma cabana de um quarto à beira do Reno).

Várias empresas do mundo inteiro já começaram o árduo caminho para uma transformação radical no caminho da digitalização, porque entendem que é a única maneira de se manterem saudáveis. A sua não pode ficar de fora.

Recomendadas

“Numa relação” ou “é complicado”?

Será que os consumidores atuais procuram de facto algum tipo de relação com as marcas? Não estarão mais ocupados a viver as suas vidas?

Parabéns Delta!

A Delta criou uma nova cápsula, totalmente biodegradável. Por essa razão, terá uma validade mais curta, mas para quem sabe que não há Planeta B isso não será um problema.

Fino, muito fino

Que tal ser testador de iates de luxo? Já se imaginou, cabelos ao vento a cheirar a brisa marinha, a ser pago para experimentar o que outros pagam para fazer?
Comentários