Ouro atinge máximos desde 2013 devido à propagação do coronavírus

A cotação da onça de ouro registou hoje novos máximos desde 10 de abril de 2013 ao atingir 1.585,73 dólares.

Cerca das 13:00 (12:00 em Lisboa), a onça de ouro estava a subir 0,87% face ao encerramento na sexta-feira, quando estava nos 1.572,03 dólares.

Analistas citados pela Efe recordam que a cotação do ouro, considerado um valor de refúgio para os investidores, está hoje a ser condicionado pela incerteza gerada pela propagação do coronavírus e as consequências que esta pode ter a nível sanitário e económico.

Esta incerteza está a provocar fortes perdas nos mercados mundiais, estando Frankfurt e Londres a recuar mais de 2%.

A China elevou hoje para 80 mortos e mais de 2.700 infetados o balanço do novo coronavírus detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Além do território continental da China, também foram reportados casos de infeção em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.

As autoridades chinesas admitiram que a capacidade de propagação do vírus se reforçou.

O Governo decidiu prolongar o período de férias do Ano Novo Lunar, que deveria terminar na quinta-feira, para tentar limitar a movimentação da população.

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários