Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

A consultora Oxford Economics considerou hoje que a economia da zona euro vai enfrentar uma recessão de 2,2% e a economia mundial vai estagnar este ano devido à pandemia do novo coronavírus, a Covid-19.

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

No relatório, que já vai na segunda atualização devido à progressão da pandemia, os analistas desta consultora britânica escrevem que “para o conjunto do ano o crescimento global deve descer para zero” e acrescentam que “no primeiro trimestre, a economia mundial deve contrair-se a um ritmo mais rápido do que durante a crise financeira de 2009, caindo cerca de 2% e sendo provável uma nova queda de 0,4% no segundo trimestre”.

A estagnação prevista para o total do ano na economia mundial “marca o segundo valor mais baixo dos últimos 50 anos, só superado pela severidade da crise financeira de 2009”, apontam os analistas, que lembram que a previsão anterior à pandemia, para o crescimento mundial, era de 2,5%.

Apesar do panorama sombrio para a primeira metade do ano, esta consultora estima que a recuperação económica seja “muito forte, segundo a experiência histórica”, antevendo que uma forte recuperação da atividade económica no final do ano.

“A perspetiva de evolução a curto prazo é extremamente desafiante, mas a atividade vai recuperar depois das medidas de distanciamento social” e beneficiando também com a combinação dos estímulos monetários e orçamentais e da despesa discricionária”, lê-se no documento, que antecipa um crescimento de 5,3% da economia mundial no último trimestre deste ano e uma média de 4,4% em 2021.

As previsões, alertam, são particularmente incertas neste período, mas os analistas apontam ainda que num cenário de agravamento da pandemia, imposição de mais restrições sociais e mais stress nos mercados financeiros, a economia mundial poderia ter um crescimento negativo de 1,3%, com a zona euro a cair 3,2%, os EUA 2,6% e até a China poderia ver o PIB retrair 0,9%.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000.

Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 363 mil infetados e mais de 22 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 10.023 mortos em 92.472 casos registados até sábado.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 6.528, entre 78.797 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos são o que tem maior número de infetados (mais de 124 mil).

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, conta com 81.439 casos (mais de 75 mil recuperados) e regista 3.300 mortes. A China anunciou hoje 45 novos casos, dos quais 44 oriundos do exterior, e mais cinco mortes, numa altura em que o país suspendeu temporariamente a entrada no país de cidadãos estrangeiros, incluindo residentes.

Os países mais afetados a seguir a Itália, Espanha e China são o Irão, com 2.640 mortes reportadas (38.309 casos), a França, com 2.314 mortes (37.575 casos) e os Estados Unidos com 2.191 mortes. Na Alemanha existem mais de 50 mil pessoas infetadas e registaram-se 389 vítimas mortais.

O número de mortes causadas pela covid-19 em África subiu para 134 com os casos acumulados a aproximarem-se dos 4.300 casos em 46 países, segundo a mais recente atualização das estatísticas sobre a pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Recomendadas

Turismo: Siza anuncia nova linha de 150 milhões e apoio a fundo perdido de 15 mil euros por empresa

“Vamos lançar, nas próximas semanas, uma nova linha de crédito de apoio à tesouraria” das empresas do setor turístico, disse o ministro da Economia. Além disso, será lançado nos próximos dias o programa “Adaptar Turismo”, que funcionará como “um incentivo financeiro a fundo perdido aos investimentos no sector, num montante de até 15 mil euros por empresa”.

Défice do Estado agrava-se para 6.878 milhões de euros até agosto

Evolução resulta de crescimento da despesa ter sido superior ao observado na receita. Ministério das Finanças realça que este agravamento está “amplamente influenciado pela prorrogação do prazo de entrega do IVA de agosto”.

Presidente do BCE reitera que aumento da inflação na zona euro é temporário

“O nosso cenário de base continua a esperar que a inflação se mantenha abaixo do nosso objetivo a médio prazo”, disse Christine Lagarde, num debate com a comissão dos Assuntos Económicos do Parlamento Europeu (PE) numa referência ao novo objetivo do BCE de uma taxa de inflação anual de 2%.
Comentários