PremiumPablo Hasél: Rap para aquecer as noites frias do inverno catalão

Um rapper está preso desde o dia seguinte às eleições na Catalunha. Não será motivo suficiente para explicar o incêndio que volta a devastar Barcelona: o impasse político com Madrid mantém-se e parece mesmo ter possibilidade de aumentar. Entretanto, ainda ninguém sabe como será o próximo governo da autonomia.

Mais de 100 feridos, mais de 100 detidos, seis noites de distúrbios, incêndios e pancadaria avulsa: menos de duas semanas depois das eleições para o Parlamento da Catalunha, a autonomia continua a usar a desordem como um statement político, dando nota de que a crispação anterior ao ato de 14 de fevereiro não passou com a introdução dos votos nas respetivas urnas. Nem vai passar. Por um motivo aparentemente acessório – a prisão do rapper catalão Pau Rivadulla Duró, conhecido nos meios artísticos como Pablo Hasél, um dos 128 espanhóis condenados nos últimos 16 anos por incentivo ao terrorismo (122) ou por injúrias à coroa e às instituições do Estado (seis) – a autonomia está outra vez em guerra com o Estado central. Além da balbúrdia e do eventual aumento do número de audições das músicas de Hasél, alguns analistas disseram que “estava mesmo a ver-se” que a violência regressaria às ruas.

Como disse ao Jornal Económico (JE) uma fonte próxima do governo da Catalunha, o Superior Tribunal de Justiça da Catalunha encarregou-se de regar com combustível as ruas de Barcelona quando decidiu não autorizar o adiamento das eleições de 14 de fevereiro para 30 de maio – pedido pela maioria do Parlamento por causa da pandemia. Depois disso, qualquer detonação, por pequena que fosse, serviria para atear o fogo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Faz-me impressão que nem se considere baixar impostos” como combate à crise

Ao compilar mais de 15 anos de crónicas sobre a vida económica e política de um país, o resultado será, invariavelmente, um retrato aproximado da última década e meia da atualidade nacional.

PremiumRelógios: Tentações fortes para 2021

A pandemia chegou, sem aviso prévio, e provou que não há certezas, mesmo no mundo das horas certas. A indústria suíça confronta-se assim com vários dilemas, sendo este um dos maiores: há necessidade de feiras, num mundo cada vez mais digital?

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Se pensássemos mais racionalmente, talvez todos ganhássemos com isso”

Depois de “Crise e Castigo”, o economista e professor na Universidade do Minho Luís Aguiar-Conraria lança um novo livro, desta feita uma coletânea de crónicas e textos escritos ao longo dos últimos 16 anos. O JE falou com o autor sobre a obra e a atualidade nacional, que foi servindo de inspiração semanal ao longo destes anos.
Comentários