Paddy Cosgrave: “Porto, Coimbra, Faro… Estamos a pensar fazer algo em simultâneo por Portugal. Há mais do que Lisboa”

O CEO da Web Summit explicou ainda que, pela primeira vez, haverá um palco chamado “Portugal” e um canal dedicado a entrevistas a empresários e fundadores de startups portuguesas ou mesmo investigadores e académicos nacionais.

Harry Murphy/Web Summit

O cofundador e presidente executivo da Web Summit disse esta quarta-feira que a próxima edição desta cimeira tecnológica poderá evolver mais cidades portuguesas do que apenas Lisboa. O empreendedor irlandês adiantou ainda que, apesar de não conseguir confirmar o número de pessoas que poderão assistir presencialmente ao evento, dará novidades em outubro consoante os protocolos de segurança pública em vigor.

“Uma das coisas nas quais estou a pensar é fazer um estúdio noutras cidades em Portugal. Porto, Coimbra, Faro… Fazer alguma coisa em simultâneo por Portugal e mostrar um bocadinho de Portugal ao mundo. Ao longo dos últimos anos, o foco tem sido muito em Lisboa, o que é fantástico para Lisboa, mas acho que o mundo devia saber que há mais de Portugal do que Lisbon. Há ilhas incríveis também. Estamos realmente a pensar nisso”, afirmou Paddy Cosgrave, em conferência de imprensa, naquela que é o segundo dia do Collision from Home.

O CEO da Web Summit explicou ainda que, pela primeira vez, haverá um palco chamado “Portugal” e um canal dedicado a entrevistas a empresários e fundadores de startups portuguesas ou mesmo investigadores e académicos nacionais. “É muito importante nesta altura, para ajudar a erguer o país”, frisou, em declarações aos jornalistas através de videoconferência.

Paddy Cosgrave assegurou que a plataforma para os painéis online funcionará melhor nessa altura e confessou estar “muito entusiasmado” pelo facto de outros parceiros poderem utilizar este software para eventos daqui para a frente. Em relação ao mundo corporate, que se viu confrontado com apenas um espaço digital para publicidade, o gestor referiu que estão a ter uma “boa experiência” e fez agradecimento pela readaptação a marcas ‘da casa’ como a Amazon ou a consultora KPMG. “Existem várias maneiras de criar valor. Eles querem conhecer pessoas”, explicou.

Quando questionado sobre que subsídios a Collision from Home recebeu dos governos do Canadá, Ontário e Toronto, depois de a autarquia de Lisboa ter alegadamente concordado em pagar 12,7 milhões de euros anuais para receber a Web Summit, Paddy Cosgrave recusou-se a responder.

A organização da Web Summit informou esta manhã que o evento deste ano realizar-se-á entre os dias 2 e 4 de dezembro, com uma parte presencial e outra online. A cimeira continuará a ser na Altice Arena, no Parque das Nações, com transmissão em direto das conferências mas haverá momentos gravados a partir de “outros estúdios, noutras cidades do país”. “Terá um foco significativo em ajudar a acelerar a recuperação económica de Portugal, trabalhando em conjunto com as autoridades portuguesas para promover os principais objetivos e mensagens do país para os participantes certos”, adiantou a empresa, em comunicado.

Notícia atualizada às 16h21

Ler mais
Relacionadas

Web Summit vai realizar-se entre 2 e 4 de dezembro e parte do evento será online

Até 2019 a Web Summit realizou-se sempre no mês de novembro, mas em 2020 a feira tecnológica que na Europa só é superada pelo Mobile World Congress, decorrerá um mês mais tarde e num formato diferente. Em parte decorrerá através de uma plataforma online.

Paddy Cosgrave confirma: Web Summit realiza-se em Lisboa

A pandemia não irá colocar em causa a realização do mega-evento de tecnologia, segundo Paddy Cosgrave. À semelhança das últimas edições, Lisboa irá receber o Web Summit este ano.
Recomendadas

Mais de 70% das startups estão a operar normalmente e algumas antecipam expansão

Quase metade das empresas inquiridas num estudo da EY, SAP e Startup Portugal consideram que as medidas de apoio mais úteis neste momento seriam incentivos e isenções fiscais.

Hotéis vão poder ter plataforma online para recolher e entregar malas aos turistas

Bagagem selada, higienizada e entregue onde quiser. A ideia e o software é da startup portuguesa LUGGit, que pretende alargar os serviços das unidades hoteleiras do Porto e Lisboa. “Percebemos que o número de turistas reduziu e que nos poderíamos adaptar mais ao setor”, refere o CEO ao Jornal Económico.

Três startups de saúde portuguesas reconhecidas em programa europeu

As empresas Bac3Gel, C-mo Medical Solutions e Criam estão entre os finalistas de dois aceleradores da EIT Health, de cuidados de saúde.
Comentários