Paddy Cosgrave responde a seguidor que pensava que roubo de portáteis tinha sido em Lisboa

Três portáteis na sede da Web Summit foram roubados. Paddy Cosgrave deixou um aviso na rede social Twitter de que os dispositivos electrónicos serão encontrados e relembra aos utilizadores que o roubo aconteceu em Dublin (sede da Web Summit) e não em Lisboa.

Paddy Cosgrave denunciou, esta quarta-feira, na rede social Twitter um roubo de três portáteis na sede da Web Summit, o maior evento tecnológico do mundo. A contrariar o pensamento inicial de muitos utilizadores, o criador e mentor do evento deixou claro que o roubo teve lugar em Dublin, e não em Lisboa onde decorre o evento.

Apesar de não serem conhecidas as identidades, Paddy Cosgrave garante que não terá dificuldades em chegar ao fundo da questão: “Para os rapazes e raparigas que levaram três portáteis emprestados do quartel general da Web Summit na última noite: Temos as vossas carinhas captadas por queridas câmaras 4K + áudio”, ironizou numa publicação.

“Devolvam os portáteis. Caso contrário, vou ligar para as casas dos vossos pais. Sim, nós estamos a monitorizar a localização dos portáteis, seus idiotas”, avisou o mentor da Web Summit no Twitter.

É importante relembrar que, apesar do evento ter palco na FIL, em Lisboa, a organização da Web Summit está sediada em Dublin. Ao tweet de Cosgrave, um utilizador afirmou: “Isto não aconteceria se fosse em Dublin”, ao que Paddy respondeu: “A nossa sede é em Dublin”.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Taxa sobre produtos poluentes rendeu 200 milhões de euros em dois anos

O PAN vai solicitar que mais produtos (além dos atuais plásticos e cartões, óleos e pneus usados, embalagens de vidro, etc.) sejam taxados no âmbito do ecovalor, como por exemplo as cápsulas de café e os colchões,

Guardian: Nome de Isabel dos Santos removido da lista de participantes da cimeira de Davos

A Unitel, detida pela empresária angolana, é um dos patrocinadores do evento, mas os organizadores da cimeira de Davos dizem agora que estão a “reavaliar” a participação da empresa de telecomunicações, avança o jornal britânico The Guardian.

Ryanair ganha caso das raspadinhas ao fisco

Cartões do ‘lotto’ são vendidos pela casa-mãe da transportadora aérea, na Irlanda, e não pela sucursal portuguesa. Logo, as liquidações de 75,9 mil euros de IVA deverão ser anuladas, avança o Público.
Comentários