Padre da família Espírito Santo disse que Ricardo Salgado tinha solução para lesados do BES

O padre da família de Ricardo Salgado declarou esta sexta-feira em tribunal que o antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES) lhe disse que tinha uma solução para os lesados e que essa situação foi o que mais o fez sofrer.

“Sempre foi dizendo que aquilo que mais o fazia sofrer neste processo eram os lesados, porque disse que tinha solução e não lhe deram tempo”, afirmou Avelino Pereira Alves, que foi ouvido como testemunha na sétima sessão do julgamento do ex-banqueiro no Juízo Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.

Segundo o padre, que disse conhecer o arguido “há mais de 20 anos” e que todos os domingos se encontravam na missa, além de ter partilhado almoços e jantares em casa do antigo líder do BES, Ricardo Salgado “sempre foi uma pessoa com regras”, de “grande confiança” e cujo “porte firme” reconheceu admirar.

“Um homem íntegro, com valores e regras humanas e sociais bem definidas”, descreveu Avelino Pereira Alves, enfatizando a relação de amizade entre ambos: “Convivi com ele nestes momentos mais difíceis porque os amigos não devem fugir nestas ocasiões. Nestas adversidades ele tentou explicar o assunto, mas eu não quis saber. A nossa amizade está acima dessas controvérsias”.

Entretanto, no exterior do tribunal decorria uma manifestação de lesados do BES, com o som de buzinas e protestos a fazer-se ouvir também na sala de audiência.

Ricardo Salgado responde neste julgamento por três crimes de abuso de confiança, devido a transferências de mais de 10 milhões de euros no âmbito da Operação Marquês, do qual este processo foi separado.

Recomendadas

Presidente da Câmara Municipal de Gaia e esposa vão a julgamento por peculato

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, e a esposa, vão a julgamento pelo crime de peculato por, alegadamente, usarem “como se fosse seu” um veículo elétrico do município.

“Maquiavel para Principiantes”. “Face àquilo que todos vimos, Eduardo Cabrita era o passageiro da vergonha”

“Face àquilo que todos vimos, Eduardo Cabrita era o passageiro da vergonha. O MAI é um ministério que tem muitos desafios, o ministro não fez tudo mal mas foi desastrado em alguns momentos. Cabrita respirava muita sobranceria na sua comunicação e pouca humanidade”, destacou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE, que poderá ouvir esta terça no site, nas redes sociais e nas plataformas de streaming.

Tribunal da Relação condena três inspetores a nove anos de prisão no caso Ihor

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta terça-feira os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) envolvidos na morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk a uma pena de nove anos de prisão.
Comentários