Pagamentos biométricos

Colocam-se questões de privacidade e segurança, mas o passado recente tem-nos mostrado que são custos que as empresas e os consumidores estão dispostos a suportar.

O Dia dos Solteiros, celebrado na China a 11 de novembro, já é o maior evento mundial de retalho. As vendas da Alibaba ascenderam a 27 mil milhões de euros, mais do que a soma das últimas Cyber Monday e Black Friday.

A Alypay anunciou que, este ano, 60,3% dos clientes efetuaram pagamentos utilizando sistemas biométricos. Em vez de introduzir passwords ou dados de cartão de crédito, a maioria dos clientes já recorrem às impressões digitais ou ao reconhecimento facial para dar instruções de pagamento.

A utilização da biometria para validação de instruções e de identidade é uma tendência em crescimento. A Alypay está a testar um sistema smile-to-pay numa loja da KFC em Hangzhou e está a desenvolver soluções de reconhecimento facial para uma série de cenários offline como a recolha de encomendas. O objetivo é ter o mínimo de fricção e o máximo de conforto nos processos de compra, pagamento e levantamento.

Naturalmente, colocam-se questões de privacidade e segurança. O passado recente tem-nos mostrado que são custos que as empresas e os consumidores estão dispostos a suportar, mas a articulação com o RGPD europeu trará certamente desafios.

Recomendadas

Mercados em Ação. “Estejam atentos aos ‘posts’ de Donald Trump”, diz Bruno Janeiro

Bruno Janeiro, trader e country manager da ActivoTrades Valores, esteve na última edição do ‘Mercados em Ação’ e focou a política de comunicação do presidente norte-americano.

Mercados em Ação. “Tem havido uma grande afluência de brasileiros para o mercado nacional”, diz Pedro Delgado

No ‘Espaço Empresas’ do ‘Mercados em Ação’, entrevistámos Pedro Delgado, CTO da Do It Lean, sobre o setor do software.

Wall Street fecha em baixa dada a persistência da tensão entre EUA e China

Depois de uma queda brusca do mercado, na segunda-feira, desencadeada pelo anúncio de represálias chinesas aos novos direitos alfandegários impostos pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, “os investidores pareciam um pouco mais otimistas”, dizem analistas citados pela Lusa.
Comentários