Países da lusofonia e China assinam protocolo de cooperação no ensino superior

Na declaração conjunta é firmado um compromisso que visa promover a cooperação na mobilidade e no apoio às indústrias inovadoras e criativas entre o ensino superior da lusofonia e o da China.

São mais de 70 instituições do ensino superior da lusofonia e da China que assinaram este sábado uma declaração conjunta na qual firmam um compromisso que visa promover a cooperação na mobilidade e no apoio às indústrias inovadoras e criativas.

A declaração conjunta marcou o encerramento da 1.ª edição do Fórum dos Reitores das Instituições do Ensino Superior da China e dos Países da Língua Portuguesa, organizada pelo Gabinete de Apoio ao Ensino Superior de Macau, a Universidade de Macau e a Universidade de São José.

No texto disponibilizado à agência Lusa no final da cerimónia de encerramento, os responsáveis acordam em “incentivar a cooperação das indústrias inovadoras e criativas”, tanto na China continental e nas regiões administrativas especiais de Macau e de Hong Kong, como nos países lusófonos.

A intenção, pode ler-se na declaração, passa por acelerar “os processos de cooperação comercial global entre os mercados emergentes dos países/regiões envolvidos”.

Entre os países de língua portuguesa, o compromisso foi assinado por representantes de universidades e politécnicos de Portugal, Angola, Moçambique, Timor-Leste e Brasil.

A declaração tem mais três pontos nos quais se define o âmbito da cooperação: promover Macau “como centro de intercâmbio cultural”, desenvolver a mobilidade de estudantes e profissionais, bem como “reforçar o planeamento conjunto, a longo prazo (…), no âmbito da iniciativa [chinesa] “Uma Faixa, Uma Rota”, de acordo com as necessidades de desenvolvimento das diversas partes envolvidas, e promover a cooperação nas áreas da educação, da cultura e do desenvolvimento económico”.

Ler mais
Recomendadas

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Homem acusado da morte do triatleta Luís Grilo vai sair em liberdade

O homem acusado da morte do triatleta Luís Grilo, em coautoria com a mulher da vítima, Rosa Grilo, vai ser hoje posto em liberdade, disse à agência Lusa fonte judicial.

Cientistas japoneses anunciam testes clínicos de nova vacina contra Ébola

Uma equipa de cientistas japoneses anunciou esta quinta-feira que vai começar a testar em humanos uma nova vacina contra o vírus Ébola, que atualmente afeta a República Democrática do Congo.
Comentários