PAN considera insuficiente Orçamento Suplementar e pede mais audácia para o OE 2021

Para a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, “este não é um orçamento que o PAN apresentaria”, embora venha dar “algumas respostas a preocupações” sociais e económicas. “Há aqui, obviamente, um longo caminho ainda a percorrer”, referiu, no Parlamento.

O PAN decidiu abster-se na votação do Orçamento Suplementar, que foi aprovado esta sexta-feira, por considerá-lo insuficiente na resposta ao atual contexto de crise que o país atravessa, devido à pandemia da Covid-19, Por isso, o partido anunciou hoje que vai começar a trabalhar no Orçamento do Estado para 2021, pedindo mais audácia e coragem “para as respostas que se impõem”.

“Vamos já começar a trabalhar para aquilo que vai ser o OE 2021 porque vamos ter de ser mais audazes e ter mais coragem para as respostas que se impõem, seja na valorização dos vários profissionais, seja, por exemplo, no apoio aos artistas que estão a passar por dificuldades”, afirmou a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, à comunicação social, numa primeira reação do partido à aprovação do orçamento suplementar de 2020, no Parlamento.

Para Inês Sousa Real “este não é um orçamento que o PAN apresentaria”, embora venha dar “algumas respostas a preocupações” sociais e económicas. Por isso, o PAN procurou melhorar o documento, “através de um conjunto de propostas”, que respondem à “gestão dos dinheiros públicos mais eficaz” e que também implementaria um controlo sobre a distribuição de dividendos entre os gestores”. Mas – lamentou a líder parlamentar do PAN – as propostas que o partido entendeu como “fundamentais para passar o orçamento suplementar” não foram aprovadas.

“Há aqui, obviamente, um longo caminho ainda a percorrer e por essa razão é que não pudemos acompanhar este orçamento suplementar do governo socialista”, acrescentou Inês Sousa Real, considerando que é preciso criar mecanismos, pois o país não pode contar apenas com “os fundos da Europa” e “não podem ser os mesmos, nomeadamente os contribuintes”, a pagar a crise.

Contudo, a responsável política destacou que houve matérias que o PAN conseguiu fazer aprovar, “desde logo no âmbito do Ensino Superior, com o reforço das bolsas de estudo, para que os estudantes não tenham que deixar para trás a educação”.

“Conseguimos também um reforço ao nível da vigilância epidemiológica. Tendo em conta a crise sanitária que estamos a viver é fundamental haver, não só o reforço dos profissionais especializados nesta matérias, como também uma maior articulação das redes de cuidados de saúde existentes”, referiu a líder do grupo parlamentar do PAN.

“Na área animal conseguimos que as autarquias possam candidatar-se aos fundos , neste caso incluir as verbas associadas à alimentação e aos cuidados de saúde para as famílias que tenham os seus rendimentos ameaçados ou reduzidos e que tenham animais de companhia”, concluiu.

Ler mais
Recomendadas
Isabel Moreira na Assembleia

Isabel Moreira deixa discussão em plenário de projeto de revisão constitucional do Chega nas mãos de Ferro Rodrigues

Parecer pedido à deputada socialista pelo presidente da Assembleia da República indica que a Comissão de Assuntos Constitucionais não é competente para travar ida a plenário do projeto do Chega que prevê a castração química ou física de pedófilos. Apesar de Isabel Moreira deixar claro que lhe reconhece “normas que violam grosseiramente limites materiais de revisão, na medida em que descaracterizariam, se aprovadas, o princípio da dignidade da pessoa humana”.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.
Comentários