PAN questiona Governo sobre aumento de impostos. Leão garante que não vai haver subidas

Ministro das Finanças volta a garantir não ver “nesta fase” a “necessidade de aumentar” impostos às famílias. PAN defende, mais uma vez, em alternativa impostos sobre o carbono.

O porta-voz do PAN quer garantir que o Governo não vai avançar com impostos sobre a “burguesia do teletrabalho”, defendendo em alternativa impostos sobre o carbono, com o ministro das Finanças a afirmar mais uma vez que não vê “necessidade” de aumentar impostos às famílias.

O tema foi discutido na primeira ronda do debate sobre o “Programa de Estabilidade 2021-2025”, esta quinta-feira, no Parlamento, com João Leão a afirmar que “não vemos nesta fase” a “necessidade de aumentar” impostos. Em respostas às questões do parlamentar André Silva, o responsável pela pasta das Finanças admitiu que existem taxas que podem ajudar no combate às alterações climáticas.

André Silva questionou ainda as garantias contingentes associadas às parcerias público-privadas (PPP) rodoviárias. “Sabemos que o país em 20 anos vai pagar pelas PPP rodoviárias três vezes mais do que valem as estruturas que lhes estão associadas, ou seja, quase nove mil milhões de euros a mais, o equivalente a mais de metade da bazuca. Sobre isto o Programa de Estabilidade nada aborda, nem sequer menciona as responsabilidades contingentes que poderão advir destas parcerias, por exemplo, devido aos litígios entre as partes e aos pedidos de reequilibro financeiro das concessões”, disse.

O deputado afirmou que “apesar do enorme peso orçamental destes riscos”, o Governo “continua a ignorá-los e o desequilíbrio da balança para o sector público da balança mantém-se”. O parlamentar questionou ainda o Governo sobre o impacto das moratórias para o sistema financeiro e sobre as políticas adoptadas contra a corrupção.

Recomendadas

Iniciativa Liberal compara-se a Santo António em arraial com sardinhas e bifanas

 O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, comparou este sábado o partido ao Santo António, dizendo que é “o martelo dos inimigos da liberdade”, num arraial comício com centenas de pessoas, sardinhas e bifanas.

CML/Rússia. Governo diz que queixa recebida também era dirigida às “entidades competentes”

O Governo reconheceu este sábado que os serviços de dois ministérios receberam uma queixa enviada em março por ativistas cujos dados foram partilhados pela câmara de Lisboa, mas “não suscitou diligências” porque também era dirigida “às entidades competentes”.

José Luís Carneiro declina candidatura socialista à Câmara do Porto

“Apesar de apelos de muitos militantes, simpatizantes, cidadãos e instituições da cidade para que reponderasse a decisão relativa à candidatura à Câmara do Porto e aceitasse ser candidato, e depois de muito ponderar, reiterei à concelhia e federação do PS a minha indisponibilidade”, afirmou.
Comentários