Pandemia faz gastos da ADSE caírem 13% (com áudio)

Só nas áreas da quimioterapia, cirurgia, imagiologia, consultas e medicina, que a faturação aumentou exponencialmente em anos anteriores, verificou uma quebra considerável devido à pandemia.

A pandemia colocou um travão no aumento da despesa da ADSE no que toca à saúde dos funcionários e aposentados do Estado, avança o “Público”, uma vez que atingiu o nível mais baixo dos últimos cinco anos em 2020. Apesar dos gastos da ADSE terem caído 13% no ano passado face a 2019, as receitas provenientes dos descontos cresceram 2,6%, mostrando um efeito positivo na sustentabilidade do sistema.

O “Público” teve acesso ao relatório de atividades de 2020, e este mostra que as despesas com o regime convencionado e regime livre totalizaram 532,2 milhões de euros, representando uma quebra de 13% face a 2019, sendo também o valor mais reduzido desde 2016 quando se fixou em 475,6 milhões de euros.

A redução verificou-se devido à diminuição da procura de serviços de saúde durante a primeira vaga de Covid-19, que ocupou o primeiro semestre do ano, afetando maioritariamente o regime convencionado. A despesa da ADSE com os prestadores convencionais (hospitais e privados com acordo) situou-se em 375,2 milhões de euros, cerca de 20,4% abaixo do gasto em 2019, interrompendo ainda a tendência de crescimento verificada desde 2015.

Só nas áreas da quimioterapia, cirurgia, imagiologia, consultas e medicina, que a faturação aumentou exponencialmente em anos anteriores, verificou uma quebra considerável devido à pandemia. Se entre 2018 e 2019 a despesa tinha aumentado 38,8 milhões de euros (17,8%), entre 2019 e 2020 diminuiu 63,9 milhões de euros (24,9%).

Por sua vez, a despesa com o regime livre (médicos sem acordo, em que o beneficiário paga a totalidade da consulta e depois é parcialmente reembolsado pela ADSE) aumentou 12,1% face a 2019, totalizando 157 milhões de euros. De acordo com a publicação, este aumento não significa aumento da procura mas a recuperação dos prazos de reembolso e redução do número de processos a aguardar tratamento.

Recomendadas

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.
Comentários