Pandemia paralisa decisão do Banco de Portugal sobre terreno para concentrar serviços

Em 2018, o Banco de Portugal comprou um terreno no Alto dos Moinhos para a construção de um novo edifício, que custou 37 milhões de euros. Porém, o regulador ainda não tomou uma decisão definitiva quanto à localização definitiva que irá albergar a maior concentração dos serviços e ainda está a analisar o mercado.

O Banco de Portugal (BdP) estava a analisar se iria construir o novo edifício para a concentração dos serviços no terreno no Alto dos Moinhos ou se iria avançar para a aquisição de um novo terreno, mas a pandemia provocou uma paralisação no processo, sabe o Jornal Económico.

Em 2018, o BdP comprou um terreno no Alto dos Moinhos para a construção de um novo edifício, que custou 37 milhões de euros, ainda que este valor ascenda a 42.018 milhares de euros com os custos de infra-estruturas do projeto. No entanto, o concurso para o projeto ainda não avançou porque o regulador ainda estava a analisar o mercado.

No relatório de atividades e contas do BdP de 2019, publicado esta quarta-feira, a entidade liderada por Carlos Costa refere que “na qualidade de proprietário desse lote, o Banco participou, em 2019, nas atividades da Comissão de Acompanhamento da Operação de Loteamento da Quinta do Bensaúde/Alto dos Moinhos, sobretudo relacionadas com os trabalhos tendentes ao lançamento das obras de urbanização”.

No entanto, tal como o Jornal Económico noticiou em julho, entre as possibilidades do mercado, o BdP estaria a analisar o terreno que o Estado, através da Estamo – participações imobiliárias, detém na Avenida de Berna, para albergar os serviços actualmente concentrados nos edifícios da Almirante Reis e da Rua Castilho, mantendo-se a sede na Baixa lisboeta.

O imóvel está registado no balanço da Estamo, na rúbrica mercadorias, ao valor de 6.690.600 euros (6,7 milhões de euros), segundo o relatório e contas de 2018.

No relatório de contas de 2018, o BdP já sinalizava que a “decisão relativamente à localização e futura construção do novo edifício de escritórios ainda não está fechada, estando a ser equacionadas todas as alternativas possíveis para uma solução que seja a melhor para o Banco de Portugal e para a cidade”.

O BdP destaca ainda, no relatório hoje publicado, que “em outubro de 2019, o Banco concluiu a transferência do seu data center alternativo, anteriormente localizado no disaster recovery center dos Olivais, para o Complexo do Carregado”.

“Este processo foi precedido de um conjunto de intervenções nos espaços daquele complexo, para acomodar esta infraestrutura informática”, diz ainda.

Ler mais
Recomendadas

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e ‘backstop’ para Fundo Único de Resolução

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram hoje a acordo sobre a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a introdução de uma rede de segurança no Fundo Único de Resolução, medidas que permitirão atenuar futuras crises.

BCE autoriza João Pedro Oliveira e Costa como CEO do BPI

Depois de ser autorizado pelo BCE, o CaixaBank aprovou esta segunda-feira por unanimidade a composição dos órgãos sociais do BPI para o mandato de 2020-2022. João Pedro Oliveira e Costa sucede oficialmente a Pablo Forero.
Comentários