PremiumPandemia pode acelerar presença de mulheres nas TIC

A sub-representatividade feminina nas tecnologias de informação e comunicação continua a ser uma realidade, apesar da evolução positiva nos últimos anos. A pandemia e a escassez de recursos podem acelerar o processo.

O aumento da procura por competências tecnológicas para responder aos processos de digitalização provocados pelo período de pandemia de Covid-19, aliada à escassez de recursos especializados que já antes era sentida, vai acelerar a entrada de mulheres nas tecnologias de informação e comunicação (TIC). Esta é a opinião das participantes na conferência sobre Tecnologia no Feminino, promovida pelo Jornal Económico, com o apoio da Huawei, mas que defendem, também, ser necessário continuar a promover ações específicas e um trabalho de sensibilização para combater o preconceito.

Portugal destaca-se, no quadro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), por ter uma maioria das estudantes a optarem por cursos das áreas da Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (STEM, no acrónimo em inglês), e também aparece bem referenciado nos últimos relatórios da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mas quando desagregamos os dados, percebemos que a situação nas áreas das tecnologias de informação e comunicação (TIC), tanto na formação como no mercado de trabalho, é de significativa sub-representação feminina.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Presidente do CRLisboa defende associação de advogados para responder ao desafio da digitalização

João Massano participou na conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento”, promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Tiago Geraldo, advogado sénior da sociedade de advogados Morais Leitão; e de Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa.

Introdução de novas tecnologias na advocacia obrigará a alterações na legislação

Conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento” foi promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa; de Tiago Geraldo, advogado sénior da sociedade de advogados Morais Leitão; e de João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados.

Inovação na advocacia não pode limitar-se à tecnologia, afirma Tiago Geraldo

Conferência “Sociedades de Advogados: Inovação e Talento” foi promovida pelo JE, com o apoio da sociedade de advogados Morais Leitão, e contou com a presença de Tiago Geraldo, João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados; e Paulo Cardoso do Amaral, professor da Universidade Católica Portuguesa.
Comentários